segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Filme - A Teoria do Tudo

Eu já tinha me encantado com o trailer e mal podia esperar para ver o filme. 

A Teoria de Tudo se baseia no livro de memórias “Travelling to Infinity: My Life with Stephen,” de Jane Hawking e conta o relacionamento do famoso físico Stephen Hawking (interpretado por Eddie Redmayne) com sua esposa Jane (vivida por Felicity Jones), desafiado pela doença de Hawking, portador de esclerose lateral amiotrófica.

O filme é uma adaptação do livro da ex-esposa de Stephen Hawking, Jane Wild, e conta a biografia de Hawking pelo ângulo de visão de Jane e da relação dos dois juntos. Portanto, o filme não é de fato uma biografia, mas o relato de um período, talvez o mais importante, da vida de Stephen.

Stephen Hawking nasceu numa família de intelectuais e sempre se interessou pelo funcionamento dos sistemas, buscando uma teoria única que fosse capaz de explicar todo o universo - a tal teoria do tudo.

Mas descobri-la não era tarefa fácil. Ainda mais para um estudante de ciências quase boêmio como ele foi. E o homem tão racional se apaixona por uma estudante de língua espanhola e francesa e, logo em seguida, o jovem descobriu que estava muito doente e que tinha apenas dois anos de expectativa de vida.


Arrasado, Stephen decidiu afastar a todos que o amavam e se afundar num buraco negro de sofrimento e autocomiseração. Mas Jane foi implacável. Não só o impediu de se autodestruir, como acabou dando esperanças a ele quando aceitou ser sua esposa. Jane estava determinada a passar ao lado do marido os anos que lhe restavam da melhor forma possível.

A partir daí, temos o relato da convivência dos dois, do amor, do casamento, das lutas, vitórias e dificuldades que se seguiram, uma vez que já sabemos que Stephen não viveu somente os dois anos de vida que lhe foi previsto.

Eu não li o livro que inspirou o filme, mas gostei bastante do roteiro adaptado que consegue ser detalhista, sem ser cansativo. Todos os acontecimentos são muito bem descritos e aprofundados e, apesar do filme se passar por um período relativamente longo na contagem cronológica, muitos pulos temporais são feitos sem se perder muita coisa.

O gênio é deixado de lado, para focar em um Stephen Hawking humano, que precisa lidar com um mundo a sua volta para conseguir viver e aprender a lidar com a doença, com sua genialidade, com a esposa, os filhos, a família.


Com uma excelente fotografia e interpretações belíssima - o ator Eddie Redmayne ganhou a estatueta do Oscar ontem - a equipe traz à tela um trabalho primoroso na construção de cada uma das cena. 

Impossível para mim foi não comparar a história de Stephen e Jane à história de John e Alicia Nash, tão bem retratada no filme Uma Mente Brilhante. Dois gênios acometidos por doenças tão complicadas que atravessam todas as dificuldades impostas pelas vida com ajuda de suas fiéis e fortes companheiras. Mas, pra mim, Alicia Nash ainda dá de 20 a zero na Jane Hawking.

Achei o Stephen bem boêmio, um cara que não perdeu o senso de humor e que muitas vez foi duro e machista com a esposa: encheu a casa de filhos e não aceitava ajuda de ninguém, o que foi desgastando a relação aos poucos.

Com a rotina maçante, a relação dos dois vai esfriando e a intimidade vai diminuindo. Jane encontra apoio no regente do coral, enquanto Stephen encontra em uma enfermeira outra mulher para admirá-lo e ajudá-lo a enfrentar a doença. A cena em que eles discutem sobre a importância de Deus, mesmo depois de anos de convivência e Stephen sabendo sobre a fé de Jane, foi bem tocante para mim.


Mas a cena mais marcante para mim foi quando Jane encontra Stephen após a traqueostomia feita quando ele teve pneumonia, que o deixou sem fala. É emocionante mesmo!


Para os nerds e românticos de plantão, vale o saco de pipoca.


sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

#ProjetoCasa e #OperacaoCasamento - A contagem regressiva

Oi, tudo bem?

Hoje, eu acordei com batedeira. 

Claro que ajudou o fato de eu ter que finalizar uma planilha de 1283 registros do trabalho para ontem porque a nossa sede solicitou o levantamento por e-mail no domingo de carnaval.

Ajudou também o fato de eu estar super preocupada com o mato e a sujeira astronômica que está no terreno ao lado da construção do nosso cafofo porque é época de chuva, o que significa época de dengue nos entulhos e proliferação de mosquitos, aranhas, escorpiões e outros bichinhos-fofos que gostam de ambiente sujo e úmido. E o que eu não quero para mim, não quero para os meus vizinhos.

Também teve o local que mammy trabalha que foi assaltado no Carnaval e fizeram uma limpa na maioria dos itens que ela usa para trabalhar e, daí, a gente fica preocupada no retorno ao trabalho e na questão da segurança dela que é primordial. Sempre.

E não vou negar que contribuiu um pouco o garoto estar preocupado porque a semana foi mais sossegada no trabalho dele porque teve o mega feriado no Carnaval e todo mundo está viajando - e eu não estou porque minha mãe sempre me ensinou que eu não sou todo mundo.

Mas a batedeira foi por outro motivo.

Um motivo maior.

Daqueles que mudam sua vida completamente em uma simples palavra.

Começa hoje, a contagem regressiva - daqui um ano, a essa hora (escrevo este post às 19h21 na mesa do trabalho) estarei me casando.

... um minuto de silêncio em homenagem a minha falecida solteirice...

Passei o dia todo prestando atenção em detalhes: o que estou fazendo hoje e o que possivelmente estarei fazendo daqui um ano. Se o tempo está bom, se o tempo está ruim, se está calor, se está frio... puxa, noiva fica sempre neurótica mesmo?

Na hora do intervalo do trabalho, fui para casa e contei para mammy sobre minha agonia. E ela ajudou muito falando "daqui um ano, uma hora dessas, você já saiu de casa de vez e foi pro salão se arrumar". Socorrooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo!

Agora, não tem mais aquela "só caso em 2016". A frase agora é "caso no ano que vem". Agora, não dá mais para falar "tem tempo para ver isso ainda" porque tempo é dinheiro - no caso de casamento, tempo significa suaves parcelas a perder de vista para não se afundar em dívidas e conseguir pagar tudo. Agora, é contagem regressiva.

Daqui 365 dias, eu me caso.

E agora?!


terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Filme - Homens, Mulheres e Filhos

Oi, tudo bem?

Começando a maratona de filmes e séries nas férias, já coloquei meu querido seriado Forever em dia - puxa, preciso fazer uma resenha dele aqui - e terminei o terceiro volume do Quarteto de Noivas da Nora Roberts que também estou lendo - coloquei a resenha só do primeiro volume aqui.

O primeiro filme da fase férias 2015 foi Homens, Mulheres e Filhos. Confesso que amei o trailer e acabei pegando principalmente porque conta com o bonitinho da A Culpa é das Estrelas, Ansel Elgort.

O filme trata sobre as relações humanas na era da tecnologia, entrelaçando histórias de adultos e adolescentes. Baseado no livro de Chad Kultgen, o roteiro co-escrito por Jason Reitman ao lado de Erin Cressida Wilson tem início de forma grandiosa ao acompanhar a Voyager por sua jornada pelo universo enquanto a voz elegante de Emma Thompson explica que a sonda foi enviada pela Humanidade com o objetivo de transportar elementos de nossa experiência (sons, obras de arte, cumprimentos em várias línguas) enquanto explora o espaço infinito que nos cerca.

A partir daí, somos apresentados aos personagens do filmes e suas vidas.. digamos assim, patéticas. Temos o casal frustrado, onde o pai se masturba com imagens de internet, assim como seu filho que já sofre com as consequências do uso excessivo da pornografia on line e a dificuldade em lidar com uma garota e também tem a esposa frustrada que procura apoio em encontro às escuras na internet.

Temos a família destruída porque a mãe fugiu com o outro e o filho que se afunda nos jogos on line - o bonitinho Ansel Elgort que contribue muito para o personagem com a sua carinha de bebê chorão.


E temos outras situações que vão nos mostrando como estamos cada vez mais dependentes da tecnologia e sem saber lidar com as situações do dia a dia de forma natural.


Concentrando-se no isolamento aparente promovido pela tecnologia, já que hoje somos criaturas que mantêm os olhos sempre baixos e grudados no aparelho de telefone mesmo enquanto caminhamos na rua, Homens, Mulheres & Filhos traz personagens obcecados por seus iPhones, blogs, tumblrs, twitters e facebooks.

No contraponto, temos a personagem da Jennifer Gardner para mostrar os pais retrógrados que ainda acham possível rastrear seus filhos através da tecnologia e pensam que tudo que está ali é de todo ruim.


O filme mostra, enfim, como a necessidade humana de estabelecer ligações com o próximo muitas vezes são equivocadas e a forma com que tenta fazê-lo são universais e atemporais. Não é à toa que o texto de Carl Sagan recitado pela narradora mostra algo inquestionável: se tropeçamos em nossos esforços de contato, isto se deve não à tecnologia, mas à nossa própria e confusa natureza.


Em cenas delicadas, conhecemos a história dos personagens e, acreditem, até conseguimos nos identificar com algumas situações. Se você adora passar horas na internet e nas redes, vai se identificar muito com os personagens. Mutas das conversas no filme rolam pelo celular e computador. Além do Ansel Elgort que arrasa como Tim, o filme conta com nomes de peso na produção. Adam Sandler e Jennifer Garner, por exemplo, mostram persongens bem complexos e cheios de dúvidas. O filme é narrado pela atriz inglesa Emma Thompson.

Para mim, valeu a sentada para assistir. Confiram o trailer:

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Férias - parte 1

Oi, tudo bem?

Estou oficialmente de férias. Quinze dias para descansar e tentar colocar as coisas em dia por aqui. E, em época de #ProjetoCasa e #OperacaoCasamento, temos muito o que fazer.

Como é de praxe, começamos as férias com as faxinas em casa nos armários, guarda roupas e etc. Saldo de 4 sacolas de doações de roupas, 5 livros vendidos no sebo - ou melhor, trocados por outros 3 que eu queria ler hehehe; exames feitos para retorno médico - e acabo de descobrir que meu colesterol está subindo snif snif. e dois dentes do siso que deram tchau no último sábado.

Quase parecida com a minha

Há muito tempo, meu dentista insiste para que eu fizesse essa cirurgia mas eu tinha muito medo porque a raiz do meu dente do siso embaixo está colada com a raiz do dente do lado e, pra ajudar, está muito próxima do nervo do maxilar, o que poderia me causar uma parentesia (dormência do maxilar) após a cirurgia.

Mas, como todo mundo sabe, dente do siso só existe para dar dor de cabeça e gasto. Se fica, vive cariado porque é muito difícil limpar o fundo da boca corretamente. Se vai, lá se vão alguns dias de sopa, sorvete e sofá, além da cara de bolacha.

O dentista falou comigo, com o garoto e não teve sucesso. Mas quando minha mãe foi fazer a sua visita de rotina e ele falou com ela, a coisa mudou de figura. Mãe é mãe e quando mammy diz que tenho que fazer alguma coisa, nem dá para discutir né?! Então, marcamos a tal cirurgia.

Que foi cirurgia mesmo, viu?! A sala toda esterilizada, o médico passou álcool na minha mão e outra substância que eu acho que era éter no meu rosto inteiro, isolou minha boca com um pano branco e me deu uma anestesia no rosto que adormeceu até o olho.

Graças a Deus, correu tudo bem e aparentemente não fiquei com sequelas. Apesar que não aguento mais tomar sopa e sorvete.... por fim, não aproveitei os primeiros dias de férias snif snif.


Para compensar minha cara de bolacha trackinas, o garoto me deu de presente um celular... Isso mesmo! Ele não aguentava mais me mandar msg no meu bom e velho qwerty Motorola EX109 e me presentou com o Moto E que eu venho namorando à tanto tempo na vitrine. Lógico, presente de aniversário adiantado já que faço 32 anos - socorro!!! - no final do mês.

Bom, vou lá me divertir com meu brinquedinho novo...


O fim de uma era

Oi , tudo bem? Não, esse post não é sobre o fim do blog. Apesar de não atualizar mais com tanta frequência, continuo voltando aqui vez ...