Mostrando postagens com marcador . Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador . Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

E Deus fez tudo novo

Oi, tudo bem?

Para os que estão chegando agora,  preciso contar sobre a saga das igrejas na minha vida.

Nasci em um lar católico e fomos católicos apostólicos romanos praticantes até mais ou menos meus 10 anos. 

Apesar da religião, mammy  sempre flertou com outras religiões com a evangélica (ou protestante como diria minha tia-avó), espiritismo, misticismo, nova era, ateísmo.... enfim. Quando ela começou a passar por alguns problemas de saúde recorrentes, começamos a peregrinar em todas as religiões possíveis, buscando ajuda e cura.

Então, para resumir a história que é longa, nos convertemos e passamos a frequentar a Igreja Presbiteriana. Frequentamos assiduamente lá de 1993 à 2000. Depois o pastor mudou de igreja e pappy mudou também. Eu e mammy passamos a frequentar uma igreja neo pentecostal de um bairro próximo do nosso e ficamos lá de 2001 a 2010, enquanto pappy ia passando por diversas denominações.

Em 2011, conheci o garoto que era da Igreja Universal e aí começou o vai-e-vem de igrejas: um pouco na minha, um pouco na dele, um pouco na dos amigos.

Levamos nesse ritmo até casar em 2016. Daí em diante, a ideia era que arranjássemos uma igreja que fosse comum aos dois. Mas que coisinha difícil de conseguir! Umas eram muito barulhentas, outras tinham o culto muito curto, outras muito silenciosas, outras cultos muito longos... enfim, estava difícil conciliar tudo em uma só.

Daí, em maio tivemos a greve dos caminhoneiros e eu precisei deixar o Toddynho descansando na garagem por causa da gasolina escassa. Como a Presbiteriana é meio longe de casa, resolvi dar uma chance para uma pequena Igreja Quadrangular que fica perto de casa e fui a pé ao culto pela manhã com mammy.

Louvado seja Deus pelos caminhoneiros!

Encontrei uma igreja bem pequena com cerca de 50 membros que faz um culto das 9h às 10h30 com um louvor coeso e muito avivado (são geralmente 3 músicas que não ficam se repetindo e esticando só para criar uma comoção emocional), uma pregação direta e reta, simples mas profunda baseada corretamente na Bíblia (nada de terrorismo religioso ou achismos e misticismos de supostos pastores) e um encerramento muito espiritual com momento de oração e arrecadação de dízimos e ofertas.

Amei. Amei. Amei. 

O garoto foi no domingo seguinte e também gostou, mas ainda não consegui garantir o compromisso dele 100% em todos os cultos.

Estou lá desde 27 de maio e não pretendo sair mais.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Filme - A Teoria do Tudo

Eu já tinha me encantado com o trailer e mal podia esperar para ver o filme. 

A Teoria de Tudo se baseia no livro de memórias “Travelling to Infinity: My Life with Stephen,” de Jane Hawking e conta o relacionamento do famoso físico Stephen Hawking (interpretado por Eddie Redmayne) com sua esposa Jane (vivida por Felicity Jones), desafiado pela doença de Hawking, portador de esclerose lateral amiotrófica.

O filme é uma adaptação do livro da ex-esposa de Stephen Hawking, Jane Wild, e conta a biografia de Hawking pelo ângulo de visão de Jane e da relação dos dois juntos. Portanto, o filme não é de fato uma biografia, mas o relato de um período, talvez o mais importante, da vida de Stephen.

Stephen Hawking nasceu numa família de intelectuais e sempre se interessou pelo funcionamento dos sistemas, buscando uma teoria única que fosse capaz de explicar todo o universo - a tal teoria do tudo.

Mas descobri-la não era tarefa fácil. Ainda mais para um estudante de ciências quase boêmio como ele foi. E o homem tão racional se apaixona por uma estudante de língua espanhola e francesa e, logo em seguida, o jovem descobriu que estava muito doente e que tinha apenas dois anos de expectativa de vida.


Arrasado, Stephen decidiu afastar a todos que o amavam e se afundar num buraco negro de sofrimento e autocomiseração. Mas Jane foi implacável. Não só o impediu de se autodestruir, como acabou dando esperanças a ele quando aceitou ser sua esposa. Jane estava determinada a passar ao lado do marido os anos que lhe restavam da melhor forma possível.

A partir daí, temos o relato da convivência dos dois, do amor, do casamento, das lutas, vitórias e dificuldades que se seguiram, uma vez que já sabemos que Stephen não viveu somente os dois anos de vida que lhe foi previsto.

Eu não li o livro que inspirou o filme, mas gostei bastante do roteiro adaptado que consegue ser detalhista, sem ser cansativo. Todos os acontecimentos são muito bem descritos e aprofundados e, apesar do filme se passar por um período relativamente longo na contagem cronológica, muitos pulos temporais são feitos sem se perder muita coisa.

O gênio é deixado de lado, para focar em um Stephen Hawking humano, que precisa lidar com um mundo a sua volta para conseguir viver e aprender a lidar com a doença, com sua genialidade, com a esposa, os filhos, a família.


Com uma excelente fotografia e interpretações belíssima - o ator Eddie Redmayne ganhou a estatueta do Oscar ontem - a equipe traz à tela um trabalho primoroso na construção de cada uma das cena. 

Impossível para mim foi não comparar a história de Stephen e Jane à história de John e Alicia Nash, tão bem retratada no filme Uma Mente Brilhante. Dois gênios acometidos por doenças tão complicadas que atravessam todas as dificuldades impostas pelas vida com ajuda de suas fiéis e fortes companheiras. Mas, pra mim, Alicia Nash ainda dá de 20 a zero na Jane Hawking.

Achei o Stephen bem boêmio, um cara que não perdeu o senso de humor e que muitas vez foi duro e machista com a esposa: encheu a casa de filhos e não aceitava ajuda de ninguém, o que foi desgastando a relação aos poucos.

Com a rotina maçante, a relação dos dois vai esfriando e a intimidade vai diminuindo. Jane encontra apoio no regente do coral, enquanto Stephen encontra em uma enfermeira outra mulher para admirá-lo e ajudá-lo a enfrentar a doença. A cena em que eles discutem sobre a importância de Deus, mesmo depois de anos de convivência e Stephen sabendo sobre a fé de Jane, foi bem tocante para mim.


Mas a cena mais marcante para mim foi quando Jane encontra Stephen após a traqueostomia feita quando ele teve pneumonia, que o deixou sem fala. É emocionante mesmo!


Para os nerds e românticos de plantão, vale o saco de pipoca.


O fim de uma era

Oi , tudo bem? Não, esse post não é sobre o fim do blog. Apesar de não atualizar mais com tanta frequência, continuo voltando aqui vez ...