terça-feira, 13 de junho de 2017

A mulher no banheiro público

Oi, tudo bem?

Das minhas andanças por aí, das coisas que leio e me fazem rir:

"O grande segredo de todas as mulheres com relação aos banheiros é que quando pequenas, quem as levava ao banheiro era sua mãe. Ela ensinava a limpar o assento com papel higiênico e cuidadosamente colocava tiras de papel no perímetro do vaso e instruía:
"Nunca, nunca sente em um banheiro público"
E, em seguida, mostrava "a posição", que consiste em se equilibrar sobre o vaso numa posição de sentar sem que, no entanto, o corpo não entre em contato com o vaso.
"A Posição" é uma das primeiras lições de vida de uma menina, super importante e necessária, e irá nos acompanhar por toda a vida. No entanto, ainda hoje, em nossa vida adulta, "a posição" é dolorosamente difícil de manter quando a bexiga está estourando.
Quando você TEM que ir ao banheiro público, você encontra uma fila de mulheres, que faz você pensar que o Bradd Pitt deve estar lá dentro. Você se resigna e espera, sorrindo para as outras mulheres que também estão com braços e pernas cruzados na posição oficial de "estou me mijando".
Finalmente chega a sua vez, isso, se não entrar a típica mamãe com a menina que não pode mais se segurar.
Você, então verifica cada cubículo por baixo da porta para ver se há pernas.
Todos estão ocupados.
Finalmente, um se abre e você se lança em sua direção quase puxando a pessoa que está saindo.
Você entra e percebe que o trinco não funciona (nunca funciona); não importa... você pendura a bolsa no gancho que há na porta e se não há gancho (quase nunca há gancho), você inspeciona a área.. o chão está cheio de líquidos não identificados e você não se atreve a deixar a bolsa ali, então você a pendura no pescoço enquanto observa como ela balança sob o teu corpo, sem contar que você é quase decapitada pela alça porque a bolsa está cheia de bugigangas que você foi enfiando lá dentro, a maioria das quais você não usa, mas que você guarda porque nunca se sabe...
Mas, voltando à porta...
Como não tinha trinco, a única opção é segurá-la com uma mão, enquanto, com a outra, abaixa a calcinha com um puxão e se coloca "na posição".
Alívio...... AAhhhhhh.... .finalmente. .....
Aí é quando os teus músculos começam a tremer ...
Porque você está suspensa no ar, com as pernas flexionadas e a calcinha cortando a circulação das pernas, o braço fazendo força contra a porta e uma bolsa de 5 kg pendurada no pescoço.
Você adoraria sentar, mas não teve tempo de limpar o assento nem de cobrir o vaso com papel higiênico. No fundo, você acredita que nada vai acontecer, mas a voz de tua mãe ecoa na tua cabeça "jamais sente em um banheiro público!!!" e, assim, você mantém "a posição" com o tremor nas pernas...
E, por um erro de cálculo na distância, um jato finíssimo salpica na tua própria bunda e molha até tuas meias!! Por sorte, não molha os sapatos. Adotar "a posição" requer grande concentração. Para tirar essa desgraça da cabeça, você procura o rolo de papel higiênico, maaassss, puuuuta que o pariuuuu..... .! O rolo está vazio...! (sempre)
Então você pede aos céus para que, nos 5kg de bugigangas que você carrega na bolsa, haja pelo menos um miserável lenço de papel. Mas, para procurar na bolsa, você tem que soltar a porta. Você pensa por um momento, mas não há opção...
E, assim que você solta a porta, alguém a empurra e você tem que freiá-la com um movimento rápido e brusco enquanto grita OCUPAAADOOOO! !!
Aí, você considera que todas as mulheres esperando lá fora ouviram o recado e você pode soltar a porta sem medo, pois ninguém tentará abrí-la novamente (nisso, as mulheres nos respeitamos muito) e você pode procurar teu lenço sem angústia. Você gostaria de usar todos, mas quão valiosos são em casos similares e você guarda um, por via das dúvidas. Você então começa a contar os segundos que faltam para você sair dali, suando porque você está vestindo o casaco já que não há gancho na porta ou cabide para pendurá-lo. É incrível o calor que faz nestes lugares tão pequenos e nessa posição de força que parece que as coxas e panturrilhas vão explodir. Sem falar da porrada que você levou da porta, a dor na nuca pela alça da bolsa, o suor que corre da testa, as pernas salpicadas.. .
A lembrança de tua mãe, que estaria morrendo de vergonha se te visse assim, porque sua bunda nunca tocou o vaso de um banheiro público, porque, francamente, "você não sabe que doenças você pode pegar ali"
.... você está exausta. Ao ficar de pé você não sente mais as pernas.. Você acomoda a roupa rapidíssimo e tira a alça da bolsa por cima da cabeça!...
Você, então, vai à pia lavar as mãos. Está tudo cheio de água, então você não pode soltar a bolsa nem por um segundo. Você a pendura em um ombro, e não sabendo como funciona a torneira automática, você a toca até que consegue fazer sair um filete de água fresca e estende a mão em busca de sabão. Você se lava na posição de corcunda de notre dame para não deixar a bolsa escorregar para baixo do filete de água... O secador, você nem usa. É um traste inútil, então você seca as mãos na roupa porque nem pensar usar o último lenço de papel que sobrou na bolsa para isso.
Você então sai. Sorte se um pedaço de papel higiênico não tiver grudado no sapato e você sair arrastando-o, ou pior, a saia levantada, presa na meia-calça, que você teve que levantar à velocidade da luz, e te deixou com a bunda à mostra!
Nesse momento, você vê o teu carinha que entrou e saiu do banheiro masculino e ainda teve tempo de sobra para ler um livro enquanto esperava por você.
"Por que você demorou tanto?" pergunta o idiota.
Você se limita a responder: "A fila estava enorme"
E esta é a razão porque as mulheres vamos ao banheiro em grupo. Por solidariedade, já que uma segura a tua bolsa e o casaco, a outra segura a porta e assim fica muito mais simples e rápido já que você só tem que se concentrar em manter "a posição" e a dignidade.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Um aninho!

Oi, tudo bem?

Minha bebê fez um aninho!!!

Eu sei que tem muita gente que não entende amor por bicho, que vem com aqueles papos "porque adotar cachorro com tanta criança abandonada no mundo?" e blá, blá, blá.

Eu não quero ter filhos (momento "podem me tacar pedras" começa agora) e, graças a Deus, Ele me mandou um marido maravilhoso que pensa igual a mim. Não tenho paciência com crianças e poderia ficar aqui páginas e páginas escrevendo todas as razões pelas quais tenho certeza que não nasci com o dom da maternidade. Admiro e respeito quem tem, quem consegue criar dignamente e com valores nessa sociedade doida que vivemos, mas eu passo a vez.

Por isso, antes mesmo de casar, eu e o garoto já sabíamos que não queríamos filhos, mas iríamos adotar uma cachorrinha. No começo, eu queria macho e ele queria fêmea. Depois que tentamos com o Chico, eu tive que dar o braço a torcer que não ia me dar bem com machos mesmo. Tentamos com a Lola e foi bem traumático e eu estava quase perdendo as esperanças de ter uma baixinha para chamar de mim... até que ela chegou!

Hoje, faz um ano que estamos juntos, formando uma família linda (mesmo que tenha quem diga que não somos família). Como diz o Stich, "família...pequena e incompleta...mas é boa! É, é boa".

Sem grandes comemorações (afinal, eu sei que ela é uma cachorra, ok?! Nada de roupinhas de gente, por favor!), ela passou o dia vendo o garoto limpar o aquário grande (os peixes estavam um pouco ofegantes porque o filtro não estava oxigenando a água direito) e ganhou um ossinho de presente para brincar (eu parei de dar ossinho todo dia porque descobri que isso é um perigo para saúde deles; então, ela vai comer bem de vez em quando, só para deixar os dentinhos em dia).

Só tenho que agradecer a Deus por ter mandado uma baixinha tão na medida para gente: carinhosa como o garoto queria, de bigode e sobrancelha como eu queria. Feliz aniversário, filha!


sábado, 3 de junho de 2017

Vale a pena a leitura. Pra refletir! E muito!

"E a juventude vai escoando entre os dedos.
Era uma vez uma geração que se achava muito livre. Tinha pena dos avós, que casaram cedo e nunca viajaram para a Europa
Tinha pena dos pais, que tiveram que camelar em empreguinhos ingratos e suar muitas camisas para pagar o aluguel, a escola e as viagens em família para pousadas no interior.
Tinha pena de todos os que não falavam inglês fluentemente.
Era uma vez uma geração que crescia quase bilíngue. Depois vinham noções de francês, italiano, espanhol, alemão, mandarim.
Frequentou as melhores escolas.
Entrou nas melhores faculdades.
Passou no processo seletivo dos melhores estágios.
Foram efetivados. Ficaram orgulhosos, com razão.
E veio pós, especialização, mestrado, MBA. Os diplomas foram subindo pelas paredes.
Era uma vez uma geração que aos 20 ganhava o que não precisava. Aos 25 ganhava o que os pais ganharam aos 45. Aos 30 ganhava o que os pais ganharam na vida toda. Aos 35 ganhava o que os pais nunca sonharam ganhar.
Ninguém podia os deter. A experiência crescia diariamente, a carreira era meteórica, a conta bancária estava cada dia mais bonita.
O problema era que o auge estava cada vez mais longe. A meta estava cada vez mais distante. Algo como o burro que persegue a cenoura ou o cão que corre atrás do próprio rabo.
O problema era uma nebulosa na qual já não se podia distinguir o que era meta, o que era sonho, o que era gana, o que era ambição, o que era ganância, o que necessário e o que era vício.
O dinheiro que estava na conta dava para muitas viagens. Dava para visitar aquele amigo querido que estava em Barcelona. Dava para realizar o sonho de conhecer a Tailândia. Dava para voar bem alto.
Mas, sabe como é, né? Prioridades. Acabavam sempre ficando ao invés de sempre ir.
Essa geração tentava se convencer de que podia comprar saúde em caixinhas. Chegava a acreditar que uma hora de corrida podia mesmo compensar todo o dano que fazia diariamente ao próprio corpo.
Aos 20: ibuprofeno. Aos 25: omeprazol. Aos 30: rivotril. Aos 35: stent.
Uma estranha geração que tomava café para ficar acordada e comprimidos para dormir.
Oscilavam entre o sim e o não. Você dá conta? Sim. Cumpre o prazo? Sim. Chega mais cedo? Sim. Sai mais tarde? Sim. Quer se destacar na equipe? Sim.
Mas para a vida, costumava ser não:
Aos 20 eles não conseguiram estudar para as provas da faculdade porque o estágio demandava muito.
Aos 25 eles não foram morar fora porque havia uma perspectiva muito boa de promoção na empresa.
Aos 30 eles não foram no aniversário de um velho amigo porque ficaram até as 2 da manhã no escritório.
Aos 35 eles não viram o filho andar pela primeira vez. Quando chegavam, ele já tinha dormido, quando saíam ele não tinha acordado.
Às vezes, choravam no carro e, descuidadamente começavam a se perguntar se a vida dos pais e dos avós tinha sido mesmo tão ruim como parecia.
Por um instante, chegavam a pensar que talvez uma casinha pequena, um carro popular dividido entre o casal e férias em um hotel fazenda pudessem fazer algum sentido.
Mas não dava mais tempo. Já eram escravos do câmbio automático, do vinho francês, dos resorts, das imagens, das expectativas da empresa, dos olhares curiosos dos “amigos”.
Era uma vez uma geração que se achava muito livre. Afinal tinha conhecimento, tinha poder, tinha os melhores cargos, tinha dinheiro.
Só não tinha controle do próprio tempo.
Só não via que os dias estavam passando.
Só não percebia que a juventude estava escoando entre os dedos e que os bônus do final do ano não comprariam os anos de volta."
Ruth Manus.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Nuvem de que cor?

Oi, tudo bem?

"Eu estou me sentindo uma pessoa péssima. Sem amor à vida, sem perspectiva, com pouco dinheiro, um emprego que paga até que bem mas eu não vejo mais graça... Parece que, desde que casei, a vida está em uma constante espiral para baixo. Seria depressão? Não pode ser: tomo ansiolítico todos os dias por causa da enxaqueca. Tudo está assim por causa da vida espiritual. Tenho certeza. O garoto é frio e eu estou ficando igual. Isso me dá calafrios, mas eu não sei para onde sair, nem começar para emendar. Tenho medo de estar com depressão. A vida financeira não está tão ruim, mas não está tão boa. Me sinto sufocada. Quero ficar sozinha para sempre."

Rascunhei isso ontem na hora do sufoco (tirei uma parte que estava meio pesada para expor aqui). Fazia 3 dias que eu não via mammy porque ela está participando da greve da categoria dela e hoje eu finalmente consegui vê-la. Foram necessários apenas 10 minutos de conversa para que a santa sabedoria dela me "aconselhasse" como só as mães sabem fazer:

"Até comentei com seu pai... você está ficando igual ele e a família dele... só sabe reclamar".

Sem mais para o momento (acho que foi suficiente, né?!)


segunda-feira, 29 de maio de 2017

Será que eu consigo?

Oi, tudo bem?

Meu Deus, já estamos em junho! Como o ano está passando voando! Como tudo está passando voando!

O último final de semana foi muito bom! Bom mesmo! Acho que só não ficou perfeito porque não fomos no culto. :(

Graças a Deus, eu consegui fazer todas as atividades da casa durante a semana (faxina, lavar banheiro, lavar roupa) e tive o final de semana livre (bem, quase livre porque tive que passar roupa no domingo hihihi).

Aproveitei no sábado para sair com o garoto e comprar o sapato social dele. O antigo dele, do nosso casamento, descolou a sola no meio do culto, acredita?! Estávamos lá, no culto, orando e louvando quando ele virou para mim e falou "viu, não vou mais levantar na oração, tá?" e eu perguntei "Por quê?" e ele só levantou o pé e me mostrou a sola solta no chão, longe do resto do sapato. Foi difícil segurar a risada hihihi.

Fomos comprar em uma loja de uma cliente dele e ele acabou ficando meio chateado porque ele viu um aparelho lá que não foi ele que instalou. Coisas da vida, certo?! Eu quase vendi um rim para pagar o sapato quando a moça falou o valor. Mas ele gostou e estava precisando, né?! Tínhamos combinado que eu ia dar de dia dos namorados para ele. Agora, ele está com uma dívida e um peso na consciência para caprichar no meu presente hehehe.

Era para termos ido almoçar com mammy no domingo mas ela acordou dodoí, então ficamos em casa e comemos resto de pizza do sábado. Aproveitei o final da tarde para conferir sapatos e roupas de festa; tirei alguns pares para doação e coloquei uma sandália e um vestido de festa (aquele que eu usei de daminha) para vender em grupos de rolo no Facebook. E já vendi os dois! Uau!

Hoje, andei mais que notícia ruim porque nossa empresa está trocando de banco e lá fui eu abrir conta, pegar documentação para ver se vou pro banco novo ou faço portabilidade pro velho. E também fui arrumar a lente do meu óculos novo que foi uma novela desde que ele chegou: a médica tinha me dado 3º de miopia; percebi que o óculos estava incomodando e fui em outro médico que me deu 2,5º em um olho e 2,75º em outro olho. E o óculos novo continuava incomodando. Como eu ainda tinha meu velhinho, eu resolvi resgatar nos arquivos de reembolso do trabalho, a receita do óculos velho e descobri que meu grau (aparentemente) correto é 2,75º em cada olho. Então, lá fui eu na ótica com a cara-de-pau-mais-lavada-do-mundo e pedi para refazerem meu óculos novo com a mesma lente do óculos velho hihihi. Tomara que dê certo.



A saga da energia elétrica deu uma trégua no final do semana: nosso consumo diário caiu 2kw por dia porque, em final de semana, tomamos apenas 1 banho por dia e saímos mais de casa. Graças a Deus!