Mostrando postagens com marcador médico. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador médico. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Saúde... cadê?

Oi, tudo bem?

Se não bastasse o chilique de final de ano, tive outro no início do ano. Pode uma coisa dessas?

Tive um domingo excelente, super sossegado e com alimentação leve. Só que chegou no final da tarde....

Comecei com uma dor de cabeça insuportável que não passava com nada. Depois comecei com aqueles mal estar de que tinha comido alguma coisa errada. Nem fui no culto à noite e fiquei sozinha com a Nina em casa, deitada e passando mal.

Lá pelas oito da noite, comecei com um frio daqueles... detalhes: devia estar 40 graus à sombra fora do meu quarto.

Pela primeira vez, consegui usar o termômetro sem mammy por perto. Temperatura 38,5°.

Tomei um banho para ver se melhorava e nada.

Até pappy e mammy chegar em casa do culto, a febre não baixou. O mal estar estava forte e eu tive a sensação de começar a ter aquelas contrações do final do ano. Socorro!

Passei super mal à noite inteira e o diagnóstico final foi intoxicação alimentar... só falta saber do quê.

Resultado: uma consulta médica marcada para check-up geral.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Ossos, casamentos e aventuras

Oi, tudo bem?

Querem alguém que entenda de raio-x, ortopedista, hospital e recuperação de acidentes com ossos? Soy jo.

Se não me bastasse o garoto - que, graças a Deus, está cada dia mais independente apesar do gesso, semana passada foi mammy que resolveu aterrisar na calçada e ficar dodói.

Ela caiu um tombo indo trabalhar e não quis saber de cuidados médicos na hora - foi trabalhar normal. No dia seguinte, a dor bateu e a gente conseguiu arrastar a mocinha pro ortopedista.

O problema foi que ele a afastou cinco dias do trampo e ainda pediu raio-x e passou dois remédios. E fomos pra casa com esse diagnóstico. Daí, eu fui "jantar" com o garoto no intervalo do trabalho e acabei deixando o celular na bolsa, decansada por sabia que pappy estaria em casa com mammy.

E, por isso, acabei não vendo ou ouvindo as dez ligações perdidas que ela fez pra mim depois que percebeu que o médico tinha anotado o nome errado no pedido de exame e no atestado, que ela teria que apresentar na empresa que ela trabalha na segunda de manhã. E isso era sexta à tarde.

Quando eu consegui falar com ela - ou melhor, ela conseguiu falar comigo - já era meio tarde porque o médico já tinha ido embora para cidade dele, que é perto daqui, e acabamos combinando de pappy pegar estrada na segunda de manhã para ir no outro consultório dele para pegar a receita e o o atestado certo.

Nesse meio todo, eu fiquei chateada porque mammy ficou brava comigo e até pareceu que ficou com ciúmes por eu ter saído com o garoto e não ter dado atenção para ela. E é claro que sobrou pro garoto porque eu fiquei muito brava porque ela ficou brava comigo e acabei nem querendo sair na sexta à noite para não estressar mais.

Sábadão chegou com uma chuvinha boa para lavar a alma e... mais um casamento! Pensaram que a saga dos casamentos tinha parado esse ano?! Que nada! Na semana passada, tivemos um casamento mas a gente acabou não indo porque o garoto tinha acabado de colocar o gesso e estava se queixando muito de dor e estava chovendo, frio e eu tive que trabalhar o sábado todo, o que significa que nem tive tempo para me preparar para o casório.

Mas esse fim de semana era o casamento de uma grande amiga do trabalho e era um evento esperado por todos há muito tempo. E eu fiz vários planos: comprei corpete, uma saia nova, adesivo para unhas, cílios postiços e peguei 2 vídeos na internet de maquiagem e cabelo para fazer no dia porque a minha cabeleireira é sogra da noiva e não ia trabalhar.

E acabei não fazendo nada do planejado.

Primeiro, porque mammy estava doente e não pôde me ajudar. Segundo, porque estava chovendo e eu fiquei com preguiça. Terceiro, porque eu bem que tentei uma vez cada coisa mas nada ficou como eu queria.

Então, eu fui com a saia nova, com uma blusa usada e com o cabelo e maquiagem de sempre. Assistimos à cerimônica católica, depois fomos para festa e ficamos lá por cerca de quatro horas. 

A mesa estava agradável, a comida boa, o garoto até dançou - é, ele dançou comigo a música Everthing do Michael Bublé...#perfeito. Mas, posso ser sincera? Sai de lá com uma sensação estranha.

Pode ser porque vi o pai do noivo que está bem velhinho e doente e estava lá, parado, preso em uma cadeira de rodas acompanhando tudo só com os olhos sem poder realmente aproveitar tudo e aquela imagem me impressionou. 

Pode ser porque a noiva veio me cumprimentar pra lá de "alta" - e você podem achar isso normal e natural, mas eu não consigo entender como a palavra aproveitar pode ser sinônimo de bebedeira pra muita gente. 

Pode ser porque terminei a noite em grande estilo empurrando o Toddynho garagem a dentro em cima de salto alto e saia longa, junto com meu garoto vestido à gala com um braço engessado e um papay caindo de sono que teve que acordar para nos ajudar. É minha gente! O Toddynho fez o favor de arriar as rodas - ou melhor o câmbio - na calçada da minha casa. E lá estávamos nós, à uma da manhã, manobrando o carro com quat... quer dizer, três braços.

É, o final de semana foi todo estranho mesmo!

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Hiatus, hiatus, hiatus

Oi, tudo bem?

É, andei mesmo pensando nisso aí esses dias. Desde o mês passado, não passo por aqui para escrever uma letra sequer e, pra ser sincera, nem tenho tido muita vontade de fazer isso. Será que está na hora de parar com o blog? Ooooooooooooooooooh....

Bom, por enquanto, eu vou tentando adiar essa ideia e tento voltar aqui pelo menos uma vez por mês para tirar as teias de aranha e dar um oi para os poucos amigos que ainda restam e passam por aqui.

Novidades? Muitas... Talvez a mais considerável coisa que tenha acontecido nos últimos dias foi que pappy voltou a trabalhar!!! Glória a Deus!!! Aleluia!!! Festa no céu!!! Os anjos digam Amém!!!

No último dia do seguro desemprego dele, aos quarenta-e-cinco-do-segundo-tempo, ele recebeu um telefonema de um processo de seleção que ele tinha participado no início do ano e foi chamado para trabalhar na mesma área que eu e mammy trabalhamos, no mesmo esquema de horário. Engraçado ver como Deus tem seu jeito próprio de unir a família na hora certa; e olha que já passamos por cada coisa que ninguém diria que um dia estaríamos assim... Deus nos ajude a seguir adiante!

Ah, teve também outro acidente de trabalho do garoto que deu mais trabalho que o primeiro. Ele teve que ficar de molho por alguns dias em casa e, dessa vez, rolou um estresse maior que da outra vez porque eu quis tentar ajudar e pagar uma consulta em um especialista particular mas ele não aceitou e preferiu o "bom e velho" atendimento SUS... Puxa, fiquei muito chateada e brava e quase pensei em terminar tudo... mas acho que gosto mesmo dessa pecinha rara pra valer porque acabei não tendo coragem de fazer isso e ainda estamos juntos, apesar dos altos e baixos.

Ah, o ex-ex desencalhou e começou a namorar... e encheu o seu perfil no face de declarações melosas e montagens no photoshop com a amada... Deus abencoe os dois e que ele não seja tão cachorro com ela como foi comigo.

Quanto a minha pessoa, bem... eu estou tentando me achar de novo. Tem dias que acordo com a sensação que deixei de ser eu desde que comecei a namorar: o excesso de trabalho e compromissos pessoais me fizeram se afastar daqui, dos meus livros e dos meu velhos hábitos e tem dias que acordo com saudades de mim mesma. Mas será que não é apenas uma nova fase que estou vivendo e que, por isso, preciso abrir mão de velhos hábitos?

Sei lá...estou filósofa demais por hoje...


terça-feira, 18 de junho de 2013

Olha o SUS aí gente!

Oi, tudo bem?

Bom, estou escrevendo esse post bem depois do ocorrido, porque no dia do ocorrido não tinha condições físicas ou psciológicas de estacionar aqui para contar o que aconteceu. Foram 18 horas de pronto-socorro, médicos, exames e uma espera interminável em uma cadeira no corredor da Santa Casa. Mas não era eu que estava lá. Eram pappy e mammy.

De tempos em tempos - pelas nossas contas, a cada dez anos - mammy tem pedras no rim. E isso dá aquela cólicazinha básica que todo mundo conhece e já ouviu falar. Mas dessa vez, o bicho pegou. Ela foi trabalhar normal e até conseguimos dar uma corridinha no centro da cidade para comprar um casaquinho pra eu usar no dia seguinte no jantar de dia dos namorados que ia ter com o garoto.

Mas, depois de poucas horas, ela me ligou no trabalho para avisar que já estava em casa com cólica. Conseguimos "controlar" as dores até quase o meio da madrugada, na base de um monte de remédios e combinações malucas que não deram em nada. Eu sei, eu sei: todo mundo diz que auto-medicação é perigosa e que sempre devemos procurar um médico. Mas, cá entre nós, para quem conhece bem um pronto-socorro de SUS sabe que é melhor evitar aquilo a todo custo porque o estrago pode ser maior se você procurar um médico de lá. #ironia

Só que a dor chegou no limite extremo para mammy e, no meio da madrugada, depois de pappy sair correndo para comprar remédio na única drograria 24 horas da cidade, ela pediu pra ir pro pronto-socorro. Eu sugeri ligar para o SAMU porque todo mundo que chega de SAMU - mesmo que tenha apenas uma unha encravada - passa na frente e é atendido primeiro. Mas pappy não quis me ouvir e levou ela de carro mesmo.

E ficamos eu e a Nina em casa, orando pra dar tudo certo.

O primeiro atendimento foi imediato por causa do estado dela, graças a Deus. O médico deu soro, injeção, pediu ultrassom e pediu para ela ficar em observação. Detalhe 1: isso foi às 2h15 da madrugada e o atendimento do ultrassom só abria às 7h. Detalhe 2: não tinha leito disponível para internação e ela teve que ficar na maca no corredor mesmo.

Depois de momentos trágicos nos quais ela realmente pensou que ia morrer por causa das reações da cólica - e graças a Deus que isso não aconteceu, amém, aleluia, louvado seja Deus por isso - ela já estava se sentindo melhor e teve que "doar" a sua maca para outra paciente pior e passou o resto do tempo sentada em uma cadeira no corredor. #absurdo.

O ultrassom abriu às 7h, ela fez o exame e teve que esperar o médico vir conferir o exame para liberá-la para voltar para casa. 

E esperou. 

E esperou. 

E esperou.

Nesse período todo, pappy ficou com ela e se comportou como um marido. E eu nem acreditava nisso! Ele ficou lá, calmo, apoiando, fazendo tudo que estava ao alcance dele para garantir que a "estadia" dela lá fosse a mais tranquila possível. Para quem conhece o histórico de pappy, posso garantir que isso foi um milagre divino do qual eu precisava para descansar e poder pensar em casar porque agora sei que pappy vai cuidar bem dela. Na medida do possível porque a gente sempre fica um pouco incrédula com as coisas.

Enquanto isso, mammy esperou. E esperou. E esperou.

Com tudo isso acontecendo, ainda tive a visita do chefe na empresa e a organização da festa caipira que ia acontecer no sábado e o trabalho estava particularmente caótico aquele dia. Não foi fácil.

Enquanto isso, mammy esperou. E esperou. E esperou.

Depois de 18 horas - isso mesmo, 18 horas - o médico finalmente apareceu, avaliou os exames dela e deu alta. Passou os remédios para ela tomar em casa e pediu retorno no consultório dele depois de 2 semanas.

Essa semana ela voltou lá (escrevo isso em 2/7 mas a data do post vai aparecer mais trás porque tenho muitas atualizações pra fazer) e a abençoada da pedra não existe mais. E agora, ela vai seguir a vida tomando os cuidados necessários para evitar uma nova crise nefrética daqui..uns dez anos.

domingo, 9 de dezembro de 2012

Mais uma pra coleção

Oi, tudo bem?

Ontem, eu e o garoto tivemos mais uma pra nossa coleções de histórias.... 

Ele tem um trabalho meio perigoso, do tipo peso-pesado que garante alguns riscos. E ele fez o favor de cair de uma escada - ou como ele mesmo disse, a escada caiu com ele. O problema foi que ele caiu em cima do próprio braço e ficou com muita dor. Tanta dor que ele deu o braço a torcer (literalmente....) e me ligou pedindo para levá-lo para o hospital (milagre total porque nem analgésico ele gosta de tomar).

Bom, fomos para o hospital. Mas é SUS, né?! E está sempre cheio, né?! Então, imaginem que horas ele foi atendido? Chegamos às onze....meio-dia...uma....uma e meia. Isso porque eu já tinha falado com a enfermeira que a dor dele estava piorando e pedi, se possível, para passarem a ficha dele na frente. Ela confirmou o nome dele (só o primeiro...) e disse que ele era o segundo da próxima turma que ia entrar para atendimento.

O problema foi que tinha outro cara na espera com o mesmo nome dele e o cara era o segundo da próxima turma. Daí, o garoto estressou e queria ir embora daquele jeito mesmo. E eu, como meu jeitinho dócil-meiga-delicada (estou sendo bem irônica, tá?!) fui falar com a enfermeira para saber quando ele ia ser atendido, já que ela nem serviu para pedir o nome completo do paciente para confirmar o atendimento correto. Ela me disse que não tinha a ficha dele! A "abençoada" tinha perdido a ficha do garoto! Daí, eu desci do salto... falei para ela que até poderia fazer outra ficha para que ela ia passar ele na frente de todo mundo naquela hora porque a gente já estava esperando há mais de duas horas, ele estava piorando e ela não tinha servido nem para passar um analgésico para dor. Daí, a fofa achou a ficha dele: ela tinha grampeado com a ficha de outro paciente... Na hora me veio na mente aquela musiquinha "Organizações Tabajara"....

Ele foi atendido, fez Raio-X e tomou injeção e, graças a Deus, foi só o susto. Foi chato ter que ficar conversando com a sogra que apareceu lá nos 45 do 2º tempo; foi mais chato ainda ver a cena que o garoto saiu da enfermaria todo estressadinho por causa da demora e jogou o papel da receita fora e a mãe dele teve que abaixar no chão para pegar... que vergonha! Parecíamos a família buscapé saindo de lá... e eu tinha a sensação de ser a Senhorita Hathaway. Depois, tive uma conversa muito séria com ele - longe dos olhos da sogra, é claro -  e avisei que se ele fizer aquela cena de criança de 5 anos de novo, ele volta a pé pra casa.

Enfim, a tarde foi cansativa mas muito válida por ficar lá olhando todos os tipos de pessoas passando ao redor, cada criaturinha engraçada..... uma senhora saiu na maca com o joelho enfaixado enquanto que a filha  - a típica piriquete de meia idade - discutia com o "amor" do marido onde o carro estava estacionado. Detalhe: a velhinha ficou lá, na maca, meio no sol meio na sombra, enquanto tudo isso acontecia e ninguém fazia nada. Teve o velhinho que quis mandar o pintor e cortou meio braço quando caiu em cima da lata de tinta. E tantos outros casos....