Mostrando postagens com marcador último. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador último. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Me Jane. You Tarzan.

Oi, tudo bem?

Bom, ontem tivemos nossa última viagem juntos.... trágico? Não, realista. Foi nossa última viagem juntos antes de começar a economia generalizada de 2014 para o Projeto Casa e a Operação Casamento. Daqui para frente, levaremos vidas humildes sem grandes gastos ou luxos. Só passeios extra-econômicos, jantinhas em casa com itens do mercado que dá para comprar com o cartão do trabalho e filmes que passarem na tv por assinatura para evitar gastos na videolocadora. 

Então, a gente tinha que encerrar em grande estilo certo?!

E lá fomos nós para Brotas - SP. Interiorzão do meu coração, mato, moda de viola e tudo que o garoto A-D-O-R-A. E eu O-D-E-I-O rsrsrs. Tudo bem, eu não odeio, estou usando força de expressão. É que se me oferecerem um passeio no shopping ou uma ida para São Paulo ou uma visita a uma fazenda, adivinha o que eu vou escolher? Lógico que o asfalto né?! Trânsito, poluição, correria, estresse... eu A-M-O tudo isso!

Esse negócio de sombra e sossego é para ele. Ele adora e, por isso, eu vou atrás porque o amor faz isso né?! A gente sempre quer agradar o serrrrrrrr amado - e eu gosto para caramba desse garoto!

A gente não estava muito animado para ir porque ele estava bem cansado e eu ia ter uma semana pesada de trabalho pela frente; quase amarelamos. Mas o dia estava tão bonito e estava tão calor para ficar dentro de casa vendo tv que a gente decidiu ir. 

Primeira parada - supermercado. Não para comprar comida, salgadinhos ou água para viagem. Para comprar meia. Porque o garoto só tem meia social e estava indo de tênis sem meia para andar no mato. Então, a gente precisou parar para comprar uma meiazinha básica para garantir o conforto dele na viagem né?! E, nesse momento, vem aquela frase "só comigo acontecem essas coisas" rsrsrs.

Na ida, fomos por uma estrada antiga que ainda não está duplicada mas foi recapiada esses dias e tem umas vistas muito lindas... só que fica bem mais longe né?! E eu não sou muito fã de estrada antiga porque tem aquelas coisas no meio da estrada, com aquelas cruzes para marcar onde teve acidente e morreu gente e fica cheio de flor e imagem de santo quebrada.... eu não gosto daquilo, mas meu olho tem imã para achar aquelas coisas na pista... .afffff! Por isso, eu amo estrada nova e duplicada!

Chegamos meio assim.... com muita fome e fomos conhecer o Cammilo, o restaurante que dizem que é da família do cantor Daniel. O lugarzinho é legal, mas para ser sincera, esperava mais. Restaurante com churrascaria que não tem batata palito frita não serve para mim. E nem tinha beterraba na parte de salada!  O precinho é meio salgado, mas já era de se esperar porque é cidade turística e tudo fica mais caro, certo?! Mas o que mais valeu lá foi a alcatra mal-passada que eu comi (amo carne mal passada para desgosto de mammy que diz que é pecado comer carne com sangue porque está na bíblia... e eu já li esse texto, mas amo esse tipo de carne ... snif...) e o show do Vitor e Leo que estava passando no telão com aqueles clássicos sertanejos de antigamente (teve uma participação do cantor Marciano e o cabelinho dele está uma graça na versão chapinha-progressiva 2014... e eu que sou da época que ele usava mullet e topetão estilo Chitãozinho-Xororó... rsrsrs... saber que eu já usei esse penteado quando era criança, mas meu consolo é que quase todas as crianças da década de 80 também usaram rsrsrs).

Depois de lá, a gente fez o típico passeio de casalzinho do interiorrrr... sorvete na pracinha. O sorvete - diga-se de passagem - foi a bola de creme mais cara que paguei desde a Gelateria Parmalat. Mas estava tão calor, tão calor, que não deu para falar não. Daí, ficamos lá, fazendo a digestão, tomando sorvete, vendo o "movimento" passar... ô vidão bão sô!

Mas o objetivo do passeio era a Cachoeira do Martelo. A gente já tinha visto o caminho uma vez - uma estradinha de areia que não acaba mais - mas quando fomos a primeira vez, já era noite e não deu para encarar os 9 km de estrada de areia no escuro. Então, a gente resolveu encarar de dia mesmo.

E fomos indo. E indo. E indo. E... achou que chegamos? Não... vamos mais um pouco. Mais umas curvas, umas pedrinhas, umas ondulações e... Não, vamos andar mais um pouco. As plaquinhas - que começaram bonitinhas e enfeitadas, foram ficando mais feias e velhas conforme entravamos mais no mato.

Até que chegamos.

Ufa.

O lugar é lindo. E custa 20 reais por pessoa para visitar. O negócio é pagar e descer de carro até a mata - porque você vai sem guia nenhum e a gente bem que quis descer a pé mas é bem longe e tem umas vaquinhas fofas que ficam dormindo no meio da estradinha... e não dá para encarar espantar vaca a pé! 

Quando a gente chega na mata é que você tem noção de onde vai entrar. É mata fechada mesmo, daquelas com trilha para andar. E haja subida, pedra, galho, mosquito. Bom, enquanto estávamos só nós dois, eu estava tranquila, pagando meus micos, reclamando, falando, falando, falando. Mas teve uma hora que a gente encontrou um casal do tipo aventura que quis vir junto com a gente. Sabe aquele povo que adora esse tipo de programa? Faz rapel, canoagem e caça até cobra se der?! Eu detesto esse tipo de gente porque eles olham para seres como eu e pensam "bicho de asfalto", "patricinha", "fresca". Posso até ser. Mas não gostam que me chamem assim... tenho sentimentos snif....

Ainda bem que eles ficaram com a gente só até chegar à primeira cachoeira. Que é bonitinha... só bonitinha porque ela é pequena, cheia de pedra com limbo que não deixa você chegar muito perto e com muito mosquito. Muito mesmo. Eu não gostei muito dela, mas o casal aventura foi até chegar embaixo da queda d´agua. E o garoto ficou só olhando na dúvida entre ir atrás deles e ficar comigo. Ele acabou ficando no meio do caminho e eu fiquei um pouco para trás, tentando tirar foto.

Mas ainda tinha mais uma subidinha básica de alguns quilômetros para chegar, finalmente, à tal Cachoeira do Martelo. E posso confessar? Valeu cada pedaço. Não sei do que tomei picada - se é que tomei picada de algum mosquito, só espero que não seja da dengue de novo - mas o cansaço, o suor e tudo o que passamos valeu muito para ver aquela maravilha que Deus criou de pertinho.

Ela tem quase 40 metros de queda e faz aquele vaporzinho de água que é geladinho e refrescante. Tem pedra lá também, mas elas estão de um jeito que formam dois laguinhos que dá até para entrar dentro: água cristalina e sem aquele limbo nojento da outra. Eu não cheguei a entrar dentro - estava com medo de cobra - mas não resisti e tirei o tênis para, pelo menos, colocar o pé na água. Simplesmente, uma hidromassagem natural. Poderia ter ficado com os pés ali até agora. Maravilhosa!!!!

Ficamos lá, olhando, babando tudo aquilo. E claro que tiramos muitas fotos. De todos os jeitos possíveis. E filmamos aquela água maravilhosa caindo. E nem deu vontade de vir embora, mas era preciso.

A descida foi até mais legal porque estávamos bem mais relaxados. Paramos no barzinho da entrada da fazenda para tomar uma coca e voltamos muito mais felizes do que fomos.

Cachoeira do Martelo - vale a pena conferir!


O fim de uma era

Oi , tudo bem? Não, esse post não é sobre o fim do blog. Apesar de não atualizar mais com tanta frequência, continuo voltando aqui vez ...