Mostrando postagens com marcador médicos; diagnóstico; ortopedista; fisioterapia; Deus; mãe; hospital; acidente; velhinhos; histórias;. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador médicos; diagnóstico; ortopedista; fisioterapia; Deus; mãe; hospital; acidente; velhinhos; histórias;. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Odeio médicos

Oi, tudo bem?

Eu odeio médicos. Odeio essa raça estranha que estuda por sei-lá-quantos-anos e não sabe te dar uma diagnósticos animador. Que olha para sua cara e nem se digna a se compadecer com seu problema - apenas te analisa como se você fosse um ratinho de laboratório.

Tive retorno no ortopedista hoje para avaliar a situação da minha patinha depois de quase trinta dias do acidente. O dedo continua bastante inchado, doendo e a movimentação está bem comprometida. O médico olhou, olhou, disse que o caso estava "dentro do esperado" e me encaminhou para a fisioterapia para "amenizar" os danos.

Poxa vida, faz trinta dias que estou mal para caramba, nem estou conseguindo trabalhar direito e ainda vou ter que encarar mais sessões de fisioterapia para ver se meu dedo vai melhorar?! Custava ter falado isso antes.

Nem preciso dizer que saí do consultório arrasada, chorando horrores e bem desesperada porque achei que não ia melhorar. O primeiro que levou a culpa foi o garoto - mentalmente, é claro, porque nunca faria isso com ele. Quem teve que aguentar meu acesso de pânico foi mammy.

Mas Deus é tão maravilhoso que meu deu a melhor mãe do mundo, com uma paciência infinita e com uma habilidade de olhar o lado bom da coisa dentro das maiores tragédias. Depois de uma boa conversa com ela e de um tratamento de choque, eu estou um pouco mais esperançosa que meu caso vai ter jeito.

Graças a Deus, a fisioterapeuta atende pelo convênio médico do meu trabalho e comecei as sessões hoje bem cedinho, às 7h30 da matina....rsrsrs. A ala onde eu faço os exercícios fica dentro de um dos principais hospitais da cidade e tem de tudo: gente que sofreu acidente grave de moto, de carro, gente se recuperando de câncer, de cirurgia, gente com doença nos ossos.

A maioria são velhinhos - o que faz o lugar parecer uma filial do asilo - mas todos são muito gente boa e me receberam muito bem, talvez por eu ser uma das mais novinhas. Ah, e tem uma garotinha de uns 8 anos que também faz no mesmo horário que eu porque foi atropelada.

As histórias são a melhor parte da lição de vida: a velhinha que trincou o joelho porque tentou "ajudar" a doméstica que a filha contratou para manter a casa dela limpa e foi levantar um sofá sozinha; a moça que foi arremessada da moto por um outro idiota que fechou ela no trânsito; uma senhora que teve paralisia facial e nem ouve ou fala direito.

A verdade é que você começa olhar ao redor e vê que seu problema nem é tão grave assim e que, no final das contas, você tem é que ser grata a Deus.

O fim de uma era

Oi , tudo bem? Não, esse post não é sobre o fim do blog. Apesar de não atualizar mais com tanta frequência, continuo voltando aqui vez ...