Mostrando postagens com marcador salão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador salão. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 23 de junho de 2014

A saga dos casamentos - parte eu-não-sei-mais-qual-é

Oi, tudo bem?

Bem, amigos da Rede Globo, estamos aqui de volta com mais um episódio da saga dos casamentos. Acharam que tinha acabado? Acharam que não tinha mais ninguém para se casar no meu círculo de amigos? Ledo engano, meus caros.

Esse ano eu já tive um casamento de uma grande amiga, enquanto o garoto estava com o braço engessado. Depois, no mês passado, tivemos uma pequena cerimônia para ir de uma estagiária do nosso trabalho que optou por fazer apenas a cerimônia religiosa aberta para todos e ofereceu a festa apenas para os padrinhos. Foi bem simples e eu achei bem legal, principalmente a atitude dos noivos de agradecer do altar a todos os convidados presentes por comparecerem em um momento tão especial para eles. 

E ainda tinha mais um casamento de uma moça que trabalha com a gente que foi no último final de semana. O casamento já estava previsto para ser bem original porque a família dela é de origem católica e a família dele é das igrejas evangélicas bem tradicionais, super antiquadas. Então, os noivos optaram por fazer uma cerimônia civil em um salão de festas, sem nenhuma conotação religiosa.

Dentro da nosso setor, nos últimos tempos, houve uma divisão entre as madrinhas do casamento e as que seriam apenas meras convidadas. Começou uma competição para ver quem aparecia mais, quem era "a melhor" e o clima foi ficando cada vez mais chato. Resolveram dar palpite até no que iríamos dar de presente para os noivos, julgando que nosso presente era muito simples e a noiva merecia mais. Porém, temos um tipo de cota que cada um sempre contribui para dar um presente em conjunto e utilizamos a mesma cota, porém como estávamos em menos pessoas, o presente foi barato que das outras vezes. A fim de quebrar o clima chato, uma das meninas-convidadas até se ofereceu para fazer um chá para a noiva,  mas a noiva disse que não queria nada disso. Porém, na semana do casamento, resolveram que iriam fazer um chá-bar para familiares e padrinhos. E, como uma das madrinhas ajudou a organizar, a festa acabou ficando para poucos convidados, além dos familiares e padrinhos, que não nos incluía.

O fato da noiva chamar outras pessoas que não fosse a gente era o de menos, porque eu penso que o dia é dela e ela tem o direito de convidar quem quiser, sem ter que dar satisfação para ninguém. Mas o difícil foi aguentar as madrinhas falando do casamento, da festa, do chá e repetindo o refrão que era "só para os melhores", "para pessoas exclusivas", como se nós não fossemos nada disso.

Por fim, o pessoal estava quase desanimando de ir no casamento e uma das meninas realmente não foi no dia por todos esses motivos. Eu topei ir com o garoto, seguindo a filosofia que "comida, bebida e diversão de graça não se despreza".

Chegamos cedo no casamento porque a cerimônia estava marcada para começar uma hora depois para garantir que todos os convidados estariam presentes quando o juíz de paz chegassem. As mesas eram marcadas e a noiva fez o favor de colocar todas as "convidadas" do nosso setor juntas, graças a Deus. O lugar em que estava a nossa mesa era do lado dos brinquedos das crianças - haja paciência para aguentar a gritaria daqueles anjinhos - e estava muito perto da porta, o que garantia que o frio estava pegando pesado pro nosso lado.

Sobre a cerimônia em si... bem, pode me chamar de antiquada, careta, quadrada, religiosa, crente, sei-lá-o-quê. Mas eu achei que faltou algo de sagrado. Houve uma intervenção artística, na qual dois atores interpretaram o Auto da Barca do Inferno e terminaram contaram a história dos noivos. Do lugar onde estávamos, nem deu para ver a parte do juíz. Faltou um Pai Nosso ou uma oração simples que seja para pedir a benção de Deus sobre o casal. Afinal, católicos e evangélicos acreditam em Deus e oram o Pai Nosso; não ia causar constrangimento à nenhuma das famílias.

O buffet não estava muito do meu gosto também. Sinceramente, sou acostumada à casamento de pobre, que serve arroz, carne e batata frita. Os petiscos eram muito requintados e só servidos em pequenas porções. O serviço de bebida estava péssimo porque ficamos quase duas horas sem uma garrafa de água na mesa: tinha que ficar pedindo para o garçom repor, já que ele só fazia de tirar as vazias.

O garoto pediu para irmos embora por causa do frio; o coitado acabou tendo uma intoxicação alimentar no dia seguinte. Mas, dados todos os problemas e transtornos, até que conseguimos rir bastante e a hora passou rapidinho.

Ainda teremos mais episódios da saga dos casamentos, viu?! Não acabou por esse ano ainda....


segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Shall we dance?

Oi, tudo bem?

Bem, a segunda leva de casamento deste ano terminou no último sábado, dia 25. Ufa!!!

Saldo final: 2 presentes de casamento - um pago e um a pagar (ainda bem que mais 2 amigas vão dividir esta última conta...); 3 vestidos novos (1 pago e 2 a pagar) e um bom prejuízo pro garoto que praticamente teve que comprar um guarda roupa novo porque não tinha roupa social para ir.

O primeiro casamento foi muito legal. Foi o casamento de uma grande amiga minha, mas pra ser sincera, sabe aquele dia que você não está pra festa?!

Eu fui lá por causa da tremenda consideração e carinho que tenho por ela e por toda a família, mas ficamos bem pouco na festa... A gente chegou cedo pra pegar lugar porque a cerimônia ia ser no salão da festa; daí, sentamos num cantinho sossegado pra ficar curtindo na paz. Daqui a pouco, chega um pessoal e vai pegando cadeira e ajeitando toda a família na mesa, sem perguntar se podia, se não ia atrapalhar...mal cumprimentaram ele - e daí, eu já não gostei mesmo.

Ele ficou meio sem graça o tempo todo... até porque a grande maioria dos convidados eram pessoas que ME conheciam de infância - alguns eu nem tenho contato mais. Pra mim, foi uma noite meio tipo "volta ao passado", sabe?! Nessas horas, a gente percebe como a vida muda rápido, né?! Pessoas que podem ser muito próximas hoje, amanhã podem se tornar meros conhecidos por causa das voltas malucas que a vida dá.

Ele também estranhou o ritual do casamento - ele é de outra igreja que é bem diferente desta igreja que eu frequentava quando era mais nova. Acabamos saindo cedo e fomos dar uma volta, curtir um tempinho só nosso.

O segundo casamento foi bem mais relax! Foi de um colega de trabalho que convidou a mim e a uma outra amiga nos 45 minutos do 2º tempo...kkkk. Mas, daí o garoto já estava mais familiarizado com festa, casamento, social...enfim, ele aproveitou muito mais. Como ele conhece o pessoal do meu trabalho, ele tinha muito mais ambiente, muito mais gente pra conversar e se divertiu muito mais também, por consequência. Durante a cerimônia - que foi numa igreja católica - ele ficava me perguntando como eu queria isso ou aquilo para nossa cerimônia. Ele se emocionou um pouco quando casal de velhinhos - não sei se eram avós do noivo ou da noiva - entraram com as alianças porque ele se lembrou do avô que faleceu a pouco tempo.

A festa foi maravilhosa, curtimos pra caramba e eu terminei de apresentá-lo pro resto da galera que faltava, principalmente para o meu ex chefe, marido da minha atual chefe (uma das...rsrsrs) que é praticamente um segundo pai pra mim. E ele adorou o garoto. E o garoto adorou ele. Perfeito!

Além disso, pra ter uma ideia, ele até dançou!!! Explico: ele não gosta, não sabe e nem pretende aprender a dançar. Mas eu sou muito festeira, daquelas que fica até o último segundo na pista de dança. E quando começou a tocar umas musiquinhas mais animadas, lá fui eu com a minhas amigas dançar de rodinha na pista. Ele não brigou nem reclamou, mas só ficou de longe olhando, olhando, olhando. Quando o pessoal começou a se pegar de casal pra dançar forró, eu fiquei de lado só balançando o vestido... até que alguém aperta a minha cintura e fala "vamô lá, como faz isso?!". Era ele!!! Só Deus sabe o sacríficio que ele deve ter feito de esconder a timidez e ir até lá na frente para arriscar uns passos comigo.

A volta pra casa teve um episódio a parte. O casamento e a festa foram em uma cidade vizinha e, na volta, vimos uma coisa muito esquisita no céu. O negócio aparecia e sumia, ficava mais iluminado, menos iluminado e parecia que estava seguindo a gente. Credo, que medo!!! Ele começou a tirar sarro de mim, dizendo que tinha um OVNI atrás da gente... mas sei lá, a gente vê cada coisa por aí. Só quando estávamos bem perto de casa que deu pra ver bem o que era: A LUA. Como a noite estava bem carregada de nuvens, às vezes as nuvens passavam por cima dela e ela ficava mais clara, mais escura, sumia, aparecida de novo... kkk... mas valeu a emoção!

A noite foi perfeita!

O fim de uma era

Oi , tudo bem? Não, esse post não é sobre o fim do blog. Apesar de não atualizar mais com tanta frequência, continuo voltando aqui vez ...