Mostrando postagens com marcador missões. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador missões. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Vamos fazer a diferença?

Oi, tudo bem?

Uma breve pausa na maratona #umanovamulherem30dias para falar de um tema que eu amo: trabalho voluntário.

No último final de semana, tive a incrível oportunidade de participar de um congresso sobre missões transculturais na minha cidade. Foi uma experiência extremamente enriquecedora e, por isso, quero compartilhar aqui.

As apresentações foram feitas pelo Edinho Modesto, da ong Instituto Kaleo. Kaleo em grego significa chamado para uma missão. O Instituto Kaleo é uma organização não governamental sem fins lucrativos que atua em diversos países ao redor do mundo, inclusive no Brasil,  no desenvolvimento humano através de ações voluntárias voltadas para educação e saúde. Essa proposta nasce da necessidade de dar a oportunidade de ação, através do voluntariado, em resposta as necessidades humanas. A mensagem da ong é mostrar o potencial transformador de vidas e realidades colocado por Deus em nós, que nos permite seguir nosso KALEO (chamado), irrecusável e intransferível, na construção de um mundo melhor.

Eu sou apaixonada por esse assunto, simplesmente amo aprender mais sobre trabalho voluntário e sobre fazer a diferença na vida do meu próximo, mesmo que seja um pequeno gesto. Já falei muito aqui do Portas Abertas, do qual sou parceira há vários anos e ultimamente também temos contribuído para o Médicos Sem Fronteiras, que tem outro trabalho belíssimo de ajuda humanitária. E também sempre que posso gosto de participar do trabalho de algumas ongs da minha cidade, doando cestas básicas e roupas para as ongs de assistências à famílias carentes e moradores de rua e doando roupas de cama, jornal e ração para associações de amparo aos animais abandonados.

Nesse congresso, tive a oportunidade de ouvir histórias únicas de superação, resignação e coragem. Pessoas que passam por provações terríveis por causa da situação do seu país, da guerra ou simplesmente por causa da sua fé. Foram muitas, muitas histórias e grandes aprendizados. Quem quiser ver os videos que foram apresentados durante o congresso, confira o canal deles no Youtube. Afinal, uma imagem vale mais do que mil palavras e os vídeos são curtinhos, ok?!

Mas, quero aproveitar o post, para te fazer refletir no que você tem feito para esse mundo. Você é uma pessoa relevante? Se você morresse hoje, quem iria sentir a sua falta, além dos seus parentes? (Se nem eles sentirem, aí a coisa tá feia, hein?!). O que falariam de você no seu velório?

Acredito que não estamos aqui na Terra de passagem, de férias, por acaso. Estamos aqui para fazer a diferença, para ajudar o nosso próximo, para sermos relevantes de alguma forma. 

Ouvi uma história real muito interessante no congresso que queria deixar aqui: Uma jovem defendeu em sua tese de mestrado sobre ciências religiosas em uma faculdade federal do Brasil (acho que era do Rio de Janeiro) o tema "Deus e a fome". Ao concluir sua explanação, um dos componentes da banca foi enfático em dizer "Como você pode acreditar em Deus e defendÊ-lo com tanta fome no mundo? Pessoas morrem disso todos os dias e Deus não faz nada, apesar de se dizer Onipotente?".

Calmamente, a jovem deu uma resposta que deve fazer eu e você a mudarmos de atitude. "Nobre mestre, a culpa da fome no mundo não é de Deus. A culpa da guerra e tragédias do mundo não é de Deus. A culpa da fome no mundo é minha e sua. A culpa da guerra e tragédias no mundo é minha e sua."

Acredito na bíblia e acredito que Deus criou tudo e entregou na mão do homem para administrar, assim como Gênesis nos mostra. E, como um Deus amoroso que não deseja robôs O servindo, Ele nos capacitou com o livre arbítrio.

Quantos pães estragam na sua casa porque foi comprado a mais e ninguém quer comer pão amanhecido? Quantos restos de arroz e feijão são jogados fora todo o dia porque não gostamos de comer comida resquentada no dia seguinte? Quantas frutas são jogadas fora todo o dia porque estão batidas, manchadas ou moles demais? E quanto aos conflitos, não conseguimos perdoar nem nosso colega do trabalho por um comentário desnecessário ou qualquer outra trivialidade do dia-a-dia. O que faríamos nós, pobres mortais, se estivéssemos no poder e pudéssemos "dar o troco" nas pessoas que atrapalharam nosso caminho alguma vez?

E você, se identificou? Eu sim.

O fim de uma era

Oi , tudo bem? Não, esse post não é sobre o fim do blog. Apesar de não atualizar mais com tanta frequência, continuo voltando aqui vez ...