Mostrando postagens com marcador dezembro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dezembro. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Dezembro

Oi, tudo bem?

Puxa vida, já chegamos em dezembro. E com ele, lá vem aquela correria de natal, compras, presentes, confraternizações, futilidades, falsidade e tudo que tem todo-santo-ano.

É, eu não gosto dessa época do ano porque acho que tudo fica muito vazio de sentido: as pessoas correm para se endividar com presentes, mas não doam nenhum centavo para caridade. Ou doam só nessa época do ano e esquecem de ajudar durante todo o próximo ano. As festas de trabalho geralmente reunem pessoas que se odeiam o ano todo, "furam o olho" de todo mundo e agora são só sorrisos e "boas festas" pra lá, "boas festas" para cá. Isso sem falar nas famosas festas de família... 

Por isso, acho que esse ano eu não vou dar presente para ninguém. E também não quero ganhar presente de ninguém. Prefiro buscar o verdadeiro sentido do natal que está há muito esquecido por todos: o nascimento do Salvador. Ontem, por exemplo, teve a descida do Papai Noel na praça da cidade e o trânsito ficou impossível - em pleno domingo à noite. Mas, garanto, que para uma missa, culto ou qualquer celebração religiosa que lembre o verdadeiro sentido do Natal, não teríamos tantos carros assim.

Enfim, apenas um desabafo de alguém que está cansada desse mundo.

Mas, apesar de tudo isso, tive um presente muito legal de final de ano: dois dias na minha terrinha!!! Há muito tempo, muito mesmo, eu não ia para Sampa para ficar mais de um dia: sempre eram viagens de excursões ou o famoso bate-e-volta do trabalho. Mas dessa vez, meus dois queridos chefes resolveram que iríamos um dia antes para não ter que viajar de madrugada na pista.

Claro que viagem comigo sem mico, não é viagem. Começou com minha querida chefa que se atrasou para me pegar, bateu o retrovisor do carro na pressa de ir alinhar os pneus e nos fez ter que trocar de carro com o marido dela antes de sair. Chegamos em Sampa depois de muita chuva, um trânsito daqueles por causa de um comboio de alguém importante que parou a Rodovia Bandeirantes, e alguns "perdidos" na Terra da Garoa até chegarmos ao hotel.

Como fazia muito tempo que não ia nesse hotel, cheguei e fiz check in para ir pro quarto. Entrei no quarto - consegui abrir a porta com o cartão kkk - mas as luzes estavam apagadas. E procura daqui, procura dali, aperta aqui, aperta ali e nada. Tudo escuro. Tive que me render: liguei para minha chefe do celular e perguntei se estava fazendo alguma coisa errada. "Coloca o cartão no interruptor que liga tudo" kkkkk. E se fez a luz!

Não deu para passear muito - a reunião de trabalho tomou o dia todo - e só fomos em um shopping próximo ao hotel, o Pátio Higienópolis. Deus para tirar várias fotos da decoração de natal que é encantadora, mas, como disse, os preços do Natal não ajudaram muito e nem deu para comprar uma agulha lá. 

Posso ser sincera? Estranhei para caramba essa viagem. Fiquei com uma saudade doida de casa, da Nina, da mammy e estranhei muito conversei com a garoto só de longe. Fritei a noite toda na cama, espirrei hororres por causa do ar condicionado do quarto que era só poeira e conclui que: Não pertenço mais à Sampa. 

Depois da reunião do trabalho, voltamos para esquentar as turbinas para o recastramento de clientes para o ano que vem. E, nesses dias, sempre tem as pérolas que somos obrigados a ouvir e que dariam para escrever um livro. Teve a cliente que não pôde se cadastrar de uma determinada forma por ser menor de idade e foi orientada para a mãe para partir para o ramo da logísitca para "trabalhar em loja, ser balconista". Teve o outro cliente que iria acertar o seu atendimento para aos sábados de manhã, mas queria ser saber se "tinha que ser de sábado mesmo, ou se o sábado só estava lá marcado".  E teve também o candidato novo, que infelizmente quis falar bonito e pediu para minha colega "diminóia o negócio aí".

É, minha gente: a gente trabalha muito, mas também dá muita risada.