Mostrando postagens com marcador chance. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador chance. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Entre a enchente e o acidente

Oi, tudo bem?


Nossa, tem acontecido tanta coisa por aqui que eu nem sei por onde começar para te contar. Foram fortes emoções nos últimos dias por aqui e, contando isso e o cansaço da correria do trabalho, nem tenho tido tempo de sentar na frente do micro para escrever.


Bom, eu posso te garantir que na última semana eu tive uma leve noção do que significa o risco de perder alguém ou alguma coisa.


Primeiro, porque tivemos uma mega enchente na minha cidade - que não acontecia há décadas - e de repente, vi de perto vários conhecidos meus perderem seus pertences e quase perderem familiares. É muito diferente ver esse tipo de situação do lado da gente ao invés de ver pela tv. Passei pertinho dos lugares mais afetados no dia seguinte e pude ver a destruição que a água causou... nossa, é de arrepiar! Como mammy trabalha de um lado do rio e eu do outro, sabe quando você pensa assim "e se dá uma chuva dessas e a gente fica separada?! Como vou fazer para ir buscá-la se não tem nenhum lugar que dê pra passar por cima do rio?!". Nossa, foi estranho!


Além disso, como eu já tinha falado antes, eu resolvi dar um tempo com o nosso garoto por causa daquela brincadeirinha idiota que ele fez. O coitado se corroeu de culpa, né?! Levou flores no meu carro, fez várias declarações de amor por torpedos do celular e, finalmente, tivemos uma séria conversa na segunda-feira antes do feriado.


Fomos em um evento da igreja e ele quis, primeiramente, me entregar um presente que ele tinha comprado pra mim. Bom, isso depois de ficar indo e voltando, olhando de longe enquanto eu me divertia com as minhas amigas e amigos. Daí, conversamos seriamente como adultos e eu fui bem sincera: ou ele cresce e não banca o inseguro, ou sem chance da gente voltar um dia. Por enquanto, seríamos amigos.


E estava indo tudo bem porque ele parou de entupir meu celular de mensagens, não foi mais me ver no trabalho e me deu um tempo para esfriar a cabeça.


Mas, no dia seguinte após o feriado, ele estava andando de moto no horário do almoço quando parou em uma esquina.


E o carro que estava vindo atrás dele não parou.


Por Deus, esse garoto foi arremessado da moto que entrou embaixo do tal carro e virou sucata.


Por Deus, esse garoto caiu no asfalto e não estava vindo nenhum carro na hora para passar por cima dele.


Por Deus, esse garoto sofreu apenas arranhões pelo corpo e não quebrou nada.


Por Deus.


O susto foi grande.


Principalmente pra mim que recebi a notícia por torpedo de celular (e tenho um certo trauma disso porque recebi a notícia da morte de uma pessoa muito querida por MSN). Fiquei super preocupada, fui atrás de saber como ele estava, ver se estava precisando de alguma coisa.


Percebi que, apesar do pouco tempo que eu o conheço, aquele garoto já era muito importante pra mim. Apesar da infantilidade da brincadeira que ele fez comigo - e não vou tirar a culpa dele nunca por isso - achei que ele merecia uma segunda chance. Mas a segunda chance demorou para acontecer. E só depois de muita insistência dele (e muito charme meu porque eu tinha que dar um de difícil, certo?! Rsrsrsrs) e mais uma boa e longa conversa sobre limites e confiança.


E, agora, é esperar para que as coisas fluam naturalmente daqui pra frente.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Voltando a vida...

Oi, tudo bem?
Seguimos a vida, certo?! Voltei à minha querida rotina super-corrida de muito trabalho e pouco tempo para mim e estou muito feliz com isso.

A volta foi a mil por hora porque tínhamos uma viagem marcada para o dia seguinte à minha volta para assinatura e apresentação de um novo convênio que teremos no trabalho com uma grande empresa. Fomos visitar a empresa, conhecemos vários processos industriais que eu nem sonhava que existiam e eu me diverti muito. Se tem uma coisa que eu amo nessa vida é viajar; nem que seja para o distrito ao lado. Pegar a estrada, conhecer pessoas e lugares novos é tudo de bom.

A maior novidade nos últimos tempos tem sido aquele garoto que falei no último post. Resolvi dar uma chance ao rapaz. Apesar do grude, das constantes demonstrações de amor-carinho-afeto-etc que ele tem me dado, eu ainda não consigo sentir nada muito assim por ele. Pelo contrário. Tanto zelo está me sufocando. Só estou segurando a onda porque acho que ele realmente merece uma chance por tudo que está demonstrando sentir por mim e, em uma semana, não dá pra conhecer uma pessoa, certo?!

Saímos para conversar e descobrimos que temos alguns pontos em comum e outros nem tanto:

- ele gosta de cinema tanto quanto eu, mas gosta de filmes dublados e eu odeio;

- ele não gosta de informática nem de seriados e eu adoro;

- ele não tem grandes ambições como estudo ou trabalho e eu...bom, eu tô sempre sonhando alto demais!

Mas:

- ele também gosta de cachorro e tem uma cadelinha parecida com a Nina (que insiste em não se comportar como cachorro e sim como membro integrante da família);

- ele é cristão como eu;

- entre outros prós e contras.

Fomos no cinema no feriado assistir GIGANTES DE AÇO. O filme não foi super-mega-power maravilhoso e a companhia... bom, eu gosto de prestar atenção em filme, certo?! E ele queria ficar de carinho, beijinho, cafuné... acho que sou um pouco insensível demais. Mas ele não come no cinema, o que já é uma vitória pra pessoa aqui que detesta ir no cinema com quem faz piquenique no meio da sessão.

No último final de semana, foi aniversário do garoto. Dei uma caixa de bombom Talento de luxo, um cartão bem informal e uma noitada em uma pizzaria da cidade por minha conta. Acreditem se quiser, foram os únicos presentes que o lindo ganhou. E, por isso, ele ficou me agradecendo o final de semana todo. Ontem, eu estava mais para uma zumbi ambulante do que qualquer outra coisa porque tivemos que trabalhar no final de semana todo para a divulgação da empresa para novos clientes. Cheguei em casa depois do almoço, fiz compras no supermercado com mammy e... o sofá olhou pra mim, eu olhei pro sofá e rolou um clima. Fiquei dormindo até quase noite!

O fim de uma era

Oi , tudo bem? Não, esse post não é sobre o fim do blog. Apesar de não atualizar mais com tanta frequência, continuo voltando aqui vez ...