Mostrando postagens com marcador bíblia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador bíblia. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Charlie Hebdo - Ser ou não ser?

Oi, tudo bem?

Hoje, o mundo amanheceu mais triste e chocado com a notícia do atentado ao jornal françês Charlie Hebdo. Extremistas islâmicos atacaram a redação do jornal e deixaram mortos e feridos pelo caminho.

O que se segui na mídia foi a retaliação aos muçulmanos e a defesa da liberdade de expressão a qualquer custo. 

Até então, eu nem conhecia o trabalho deles e também me juntei ao coro que dizia "Je Suis Charlie". Mas, tive a oportunidade de acompanhar a cobertura brilhante e imparcial da Folha On Line no caso e ter acesso à várias capas dos editoriais do Charlie Hebdo, nas quais eles faziam piadas de cunho sexual atingindo católicos, muçulmanos e qualquer fé que existisse no mundo.

Sou evangélica há mais de vinte anos, mas me senti ofendida com as charges insinuando relações sexuais gays entre padres, piadas com a Santíssima Trindade de cunho sexual e várias outras charges julgando Maomé.

Daí, parei para pensar e tive que concordar com Leonardo Boff - Eu não sou Charlie.

"Evidentemente não se responde ofensa com o assassinato. Mas também não se devem criar as condições psicológicas e políticas que levem a alguns radicais a lançarem mão de meios reprováveis sobre todos os aspectos."


Na minha humilde e - talvez - ignorante opinião, os dois lado praticaram a intolerância no seu limite máximo, dentro das armas que dispunham. "Na religião muçulmana, há um princípio que diz que o Profeta Maomé não pode ser retratado, de forma alguma. Esse é um preceito central da crença Islâmica, e desrespeitar isso desrespeita todos os muçulmanos. Fazendo um paralelo, é como se um pastor evangélico chutasse a imagem de Nossa Senhora para atacar os católicos…Qual é o objetivo disso? O próprio Charb falou: “É preciso que o Islã esteja tão banalizado quanto o catolicismo”. “É preciso” porque? Para que?"

Uma das defesas comuns ao estilo do Charlie Hebdo é dizer que eles também criticavam católicos, judeus e outras crenças e nenhuma religião revidou as charges.

Obviamente, isso não é motivo para assassinato porque ninguém em sã consciência apoia os atentados. Os três atiradores representam o que há de pior na humanidade: gente incapaz de dialogar. Mas é fato que o atentado poderia ter sido evitado. Bastava que a justiça tivesse punido a Charlie Hebdo no primeiro excesso.

Mas daí seria censura a interferência da justiça no caso, como alguns disseram. Só que muitas vezes é necessário a interferência racional, baseada em fatos e não em supostas listas do que pode-e-o-que-não-pode para evitar excessos. 

Gente, cansei de ver humoristas fazendo esquetes sobre cristãos de forma criativa e nada ofensiva, assim como com os muçulmanos. Não precisa apelar para a baixaria, né?!

E, se não bastasse todo esse horror, o atentado desencadeu uma série de retaliações de todos os lados, mostrando a intolerância religiosa de muitos. Igrejas foram destruídas, projetos sociais retaliados por serem ocidentais e a intolerância e ameças de ataques crescendo por todos os lados.

Agora, o quadro que vemos no mundo é de cada vez mais intolerância. Você não pode discordar do post do seu amigo no Face ou ele pode te banir da rede de amigos; você não pode ser minoria da opinião sobre isso ou aquilo ou as pessoas já vão te olhar torto. Eu mesma já entrei em alguns debates com posts polêmicos no Facebook e só me entristeceu ver pessoas que eu costumava admirar se mostrarem tão extremistas quanto os radicais islâmicos.

E, nessas e outras da vida, a bíblia se mostra verdadeira quando nos alerta:

"E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos se esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo." Mateus 24:12-13

** Por favor, dediquem um tempo para ler os links da postagem que são bastante esclarecedores sobre o tema.

terça-feira, 15 de abril de 2014

A arca do Darren e a arca de Deus

Oi, tudo bem?

** AVISO URGENTE ***

Esse post contém grandes spoilers sobre o filme Noé. Caso você não viu o filme e não quer saber como ele é, nem comece a ler, ok?! 

Depois, não diga que não avisei!

O assunto do momento no mundo dos cinéfilos são as grandes produções hollywoodyanas (será que se escreve assim?!) chegando por aqui. 

Noé, Divergente, X-Men, Transformers... enfim, efeitos especiais pra todos os lados.

O primeiro da lista a atracar em terras tupiniquins foi a arca do Noé. Depois de toda a polêmica que o filme gerou, sendo proibido em vários países, mal-recomendado pelo próprio Vaticano (para citar apenas um dos links encontrados no Google), resolvi que ia ver o tal filme. 

Tínhamos a opção de dar um pulo na cidade ao lado e ver em 3D legendado - sonho de consumo - mas resolvi ver em 2D dublado mesmo na minha cidade para evitar gastar demais. Com certeza, foi Deus que me impediu de ir.

Bem, vamos a minha versão do filme?!

Noé era um cara meio cara-amarrada porque viu o pai ser assassinado do nada por uns caras maus, quando era adolescente (Nota bíblica: não tem nada disso citado na bíblia). Era pai de 3 adolescentes quando começou a ter umas visões loucas do mundo cheio de água e de morte e destruição (Nota bíblica: Os filhos de Noé já eram adultos e casados na época do dilúvio e ele não teve visões mas Deus falou diretamente com ele a respeito do dilúvio e da arca).

Daí, ele resolve catar a prole inteira e subir o monte atrás do avô Matusalém que é um velhinho meio hippie que vive na montanha e toma uma chá meio louco que dá pra Noé ver o que o Criador (aliás, o filme todo só se fala em Criador e nunca em Deus, Jeová, ou seja lá o que for que estamos acostumados) quer dele (Nota bíblica: pela linhagem, Matusalém é mesmo avô de Noé mas não tem nada disso na bíblia sobre o encontro do dois e sobre Noé ter tido visões através de chás).

Ah, antes de Noé chegar na montanha do avô, eles encontram uma garotinha machucada chamada Ila que será levada com eles e será parte da família (Nota bíblica: ela nem existe na bíblia). E eles ficam presos nas terrras dos gigantes que são os anjos que desceram na terra para cuidar de Adão e Eva quando eles foram expulsos dos paraíso; por terem vindo atrás dos homens, o Criador tirou a graça dos anjos e eles viraram pedra, parecendo uns Transformers do Antigo Testamento (Nota bíblica: existe apenas um versículo um pouco antes da história de Noé que fala sobre gigantes, mas se refere como homens mesmo e não anjos, muito menos pedras).

Bom, depois de tomar o chá "Santo Daime" (não sei se é escrito assim) do avô hippie, o avô entregue a Noé uma sementinha que veio diretamente do Jardim do Edén e que poderia ser a versão antiga do financiamento Minha Arca, Minha Vida: quando ele planta a semente, brota uma mega floresta que vai servir pra dar toda a madeira pra construir a arca. E ele não vai construir a arca sozinho: além da família, os anjos-transformers também ajudam, fazendo tudo parecer um grande canteiro de obras de uma empreiteira moderna kkk (Nota bíblica: Noé construiu tudo sozinho, apenas com ajuda da família e orientação de Deus...e levou tempo, sem milagres!).

Quando a arca tá quase pronta, os animais começam a entrar e eles arrumam uma espécie de incenso que faz todos hibernarem por tempo interderminado, evitando problemas com alimentação e sujeira (ok, saída criativa do diretor). Lembram da garotinha que entrou para família?! Ela era estéril e o avô hippie Matusalém cura a garota que saí em disparada, cata o filho mais velho do Noé e dá um trato no garoto na mata mesmo, minutos antes da chuvarada começar.

Na hora que a chuva aperta, a galera corre pra arca: o filho mais velho (e agora satisfeito), a filha postiça (e agora também satisfeita), o filho do meio (que estava tentando arrumar uma mulher, mas não deu porque a coitada morre no meio do caminho e ele fica na seca pra sempre), o Noé, a esposa, os bichos. Mas, além deles, só um cara mau consegue entrar por trás da arca na surdina. (Nota bíblica: Deus pediu para que Noé, sua esposa, seus filhos adultos e suas esposas entrassem na arca sete dias antes de começar a chover. Além deles, só os animais estavam lá).

A partir disso, Noé surta e resolve que a humanidade não pode sobreviver ao dilúvio e que toda a sua família vai ter que morrer (oi?!). A filha postiça - que milagrosamente ficou grávida de primeira - tem gêmeas dentro da arca e nem são prematuras! (Nota bíblica: De acordo com os cálculos, choveu 40 dias e demorou mais 5 meses para as águas secarem. Logo, o dilúvio todo durou um pouco mais de seis meses). O cara ruim que entrou na arca começa a comer os animais (o que explicaria algumas espécies antigas em extinção kkkk) e Noé encontra ele e mata o cabra safado (cadê a correção da maldade no mundo, Jesus?!).

E o filme termina sem pé nem cabeça.

Sinceramente, eu não tenho palavras para expressar o que senti quando saí do cinema. Entendo a licença poética usada em filmes para adaptar histórias, dar sentido à alguns fatos históricos. Mas desvirtuar todo o contexto bíblico de uma das narrativas mais marcantes do Antigo Testamento, perdendo uma oportunidade de ouro de levar a Palavra de Deus em grande escala (e grande estilo) para várias partes do mundo é, no mínimo, lamentável.

Um filme que tem o Gladiador, Sir Antony Hopkins, a Hermione e o Percy Jackson (vejam o casting e entendam), não poderia ser tão ruim assim!

Que oportunidade despediçada, Darren Aronofsky.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Especial - Recomeçar sempre...

Oi, tudo bem?

Hoje, estou a fim de falar sobre recomeços. Afinal, segunda-feira é o dia mundial dos recomeços: recomeço de vida, de trabalho, da bendita dieta, daquele hábito que você quer abandonar (ou adquirir) mas não consegue. E acabei encontrando um texto em um blog amigo que me chamou muito a atenção.

É do Samuel... vale muito a pena dar uma passada por lá, viu?! Confiram!!!

"O Deus da Bíblia também pode ser chamado de “Deus dos recomeços”.

Houve um recomeço de Deus na vida de Moisés, quando ele achava que tudo estava perdido, e que de príncipe do Egito agora terminaria sua vida como um peão de cabras, esquecido por todos, no interior de seu país.

Houve um recomeço de Deus na vida de José, quando ele pensava que não havia como voltar pra sua casa e rever seus pais, e que só lhe restava acostumar-se com a vida de escravo, na masmorra, em uma terra distante.

Houve um recomeço de Deus na vida daquela mulher pega em flagrante adultério. Enquanto a multidão a arrastava pelas ruas da cidade em direção à praça onde seria acusada e apedrejada, seu coração gelou acreditando que daquela vez tudo estava perdido. Não havia saída.

Houve um recomeço de Deus pra Pedro - depois de ter negado o seu amado salvador, para a viúva de Naim, pra Marta, Maria e Lázaro, pra Maria Madalena - desacreditada por todos como mulher pecadora. Houve um recomeço de Deus na vida de tantos cegos, de tantos aleijados, de tantos surdos, de tantos opressos.

Quando Deus resolve que deve haver um recomeço em minha existência, a vida brota, nem que seja em meio à morte.

Não há situação que Ele não possa reverter, não há inimigo que ele não possa vencer, não há doença que ele não consiga curar, não há força que o impeça de abençoar.

Portanto, não desista! Junte-se a Miquéias e ore: "Eu, porém, olharei para o Senhor e esperarei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá" (Miquéias 7:7).

É sempre possível recomeçar de onde parou quando o recomeço é feito de mãos dadas com o Todo Poderoso. Por mais perdida que pareça a situação, lembre-se: seu Pai é o Deus dos perdidos, dos desconsolados, dos abandonados, dos desacreditados, dos sem esperança de um recomeço. É ao lado destes que Ele gosta de estar para reverter a situação e deixar o mundo de queixo caído. Fique certo de que Ele haverá de recomeçar a sua vida de onde você parou.

Basta estender suas mãos ao Senhor. Faça isso e prepare-se para boas surpresas. Eu garanto que serão boas surpresas de amor. Como eu sei? Ele fez isso comigo."

O fim de uma era

Oi , tudo bem? Não, esse post não é sobre o fim do blog. Apesar de não atualizar mais com tanta frequência, continuo voltando aqui vez ...