Mostrando postagens com marcador adolescência. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador adolescência. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Preciso crescer

Oi, tudo bem?

Nossa, estou precisando mesmo desabafar por aqui e o pior é que é pelo mesmo motivo de sempre: homem. Ô raça difícil de entender, hein?! Detesto ficar assim porque eu sinto que estou presa em uma espiral sem fim de idas e voltas sobre o mesmo assunto; parece que nada muda nesse departamento pra mim. E isso chega a me causar enxaqueca porque parece - ou talvez seja a realidade - que minha vida está estagnada.

Na última segunda-feira, como quem não quer nada - e talvez queira tudo - o leite-ninho apareceu no balcão do meu trabalho para buscar um documento que estava faltando pra ele. #detalhe 1: eu não liguei pra ele avisando que o documento estava pronto. #detalhe2: ele não mora perto do meu trabalho, não trabalha perto do meu trabalho, não estuda perto do meu trabalho; o que significa que a desculpa dele do "estava passando por aqui..." não cola muito bem, certo?!

Conversamos muito - quase uma hora porque o movimento estava tranquilo - e bateu aquela saudade, aquela vontade de voltar atrás e dizer "vamos tentar de novo?!". Porém, eu sei que a gente não tem grandes chances pela nossa super diferença de idade - fato é fato - e pela diferença de religião, que é um item que pesa muito pra mim. Então, pedir pra gente tentar de novo seria iludir o pobre coitado do garoto por algumas semanas apenas, certo?!

Até aí, assunto aparentemente resolvido.

Daí, nesses últimos tempos estou pensando em investir pesado naquele carinha-mais-velho que sempre comento por aqui. Tudo bem que ele age de forma meio estranha algumas vezes: tem dia que me cumprimenta, tem dia que nem olha na cara, tem dia que me chama no MSN e só falta pedir pra casar comigo. E ontem, eu tentei mesmo investir pesado nele.

Como ele estava on line, eu chamei ele pra conversar. Uma vez. Duas vezes, Três vezes. Quatro vezes!!!! E nada, nadinha de nada. Nem um "estou ocupado", "não dá pra teclar agora" ou um honesto "não me enche, pô!". Diante de tanta indiferença repentina, apenas mandei uma última mensagem "Muito obrigada pela sua atenção". Ainda estamos esperando o resultado disso.

E, nessas e outras encrencas, acabei discutindo com mammy agora à tarde por causa desses assuntos todos.

Eu sei que ela tem razão - e, pode acreditar, às vezes é terrível ter que admitir isso - mas poxa vida, tudo que eu queria era poder ter alguém comigo.

Será que estou pedindo demais, Senhor?!

Queria mesmo ser uma doida, que dá a cara a tapa e arrisca tudo com o primeiro idiota que aparecer na minha frente. Mas eu me conheço: sei que sou cheia de manias e complicações e coisas que não vão sumir assim, da noite pro dia. Por isso,não dá pra encarar um namoro com alguém muito diferente de mim (já tentei algumas vezes e todas foram trágicas) e é mais difícil ainda achar alguém que combine comigo.

Será que estou exigente demais?!

O pior é ficar me sentindo uma adolescente sem-graça, como já tive que ler aqui (por favor, não tenho nada contra os comentários de vocês, ok?! Mas é que às vezes, é difícil ler a verdade). Hello, tenho mais de vinte - bem mais - e menos de trinta, o que significa que todos esperam uma atitude mais madura deste ser que vos escreve. Mas eu ainda acho que não tive adolescência - só sabia estudar até os meus 20 e pouquinhos anos - e por isso e também por andar com pessoas mais jovens que eu nos últimos meses, acho que estou bancando a adolescente chata. Acho não: estou.

Preciso lançar mão de algumas coisas para consertar minha vida, ou pelo menos esse departamento, e sair dessa roda-roda de altos e baixos que chega a me sufocar em alguns dias. Por isso que eu adoro escrever. Colocando meus problemas em palavras, tudo fica mais claro e nitído e eu consigo racionar com uma adulta normal e madura que eu devo ser.

Primeiro ponto da lista: figurinha repetida não completa o álbum.

Nessas horas de carência-limite, vale apena relembrar um bom e velho ditado popular pra ter certeza de que o leite-ninho, o ex-ex, o professor-apaixonado e tantos outros são águas passadas e não merecem novas chances. Já tiveram as deles e não aproveitaram. Ponto.

Segundo ponto da lista: o carinha-mais-velho está com o dele guardado.

Assim que eu der de cara com ele, farei o tipo lady - porque não vou dar barraco pra ele ficar se achando a última Amandita do pacote - e simplesmente, o tratarei da forma mais fria e tímida possível. Se pedir justificativa: "não queria atrapalhar sua vida; você já demonstrou que não está interessado na minha companhia, então vou ficar no meu canto e não vou te atrapalhar mais. Me desculpe". Alguém já me disse uma vez que senso de culpa é a melhor arma para ferir uma pessoa; essa é a idéia.

Terceiro ponto da lista: homens do planeta Terra, me escutem!

A fábrica está fechada para balanço, sem previsão de retorno de atividades. Enquanto o varão-preparado-por-Deus ou seja-lá-quem-for-minha-cara-metade não aparecer, eu me recuso a arriscar quebrar a cara de novo com qualquer idiota e criar problemas pra mim, pra minha mammy e pros meus amigos.

Ponto final.

O fim de uma era

Oi , tudo bem? Não, esse post não é sobre o fim do blog. Apesar de não atualizar mais com tanta frequência, continuo voltando aqui vez ...