Pular para o conteúdo principal

Postagens

Segunda com cara de sexta

Oi, tudo bem?
Puxa, minha segunda começou com cara de sexta... não pelo clima de descanso e folga do fim de semana chegando, mas pelo cansaço de muito trabalho.
Ultimamente, tenho tentado programar minha rotina de "moça do lar" (affff, que título, não?! Essa é a parte chata de brincar de casinha com o garoto: ter que manter a casinha em ordem!) para que caiba dentro da segunda até a sexta, assim eu posso descansar no final de semana.
Como trabalho no período tarde e noite, tento programar as minhas atividades para caberem todas no período da manhã. E, por favor, não me venha com aquela frase "aaaaah, mais você tem a manhã livre. Que bom!". Manhã livre não, meu bem, que eu não acordo às cinco da manhã, né?! Eu tenho entre as oito e as onze para fazer tudo.
Vamos à minha rotina: costumo (ou pelo menos tento) levantar entre sete e sete e meia da manhã. Procuro dar prioridade na primeira hora para atividades como a minha devocional (pra mim, o dia rende bem mais quando com…

Tudo mais leve

Oi, tudo bem?
Hoje, estou feliz. Estou contente porque a semana trouxe boas notícias e novas esperanças. A vida não tem sido fácil para ninguém e, por aqui, não é diferente. O período de inverno é particularmente mais difícil porque mammy fica mais doente (ela tem problemas de artrose e artrite e o inverno judia mais do corpo), o garoto fica com pouco trabalho (será que já contei que ele é autônomo e trabalha com refrigeração?!) e eu acabo engordando mais porque como mais para descontar toda a ansiedade e não vou fazer minhas caminhadas porque as manhãs são muito frias hihih. A parte boa do inverno é que minhas enxaquecas me dão uma trégua (costumo sofrer mais crises em temperaturas mais altas). E vamos combinar que inverno é vida, certo?! A maquiagem não escorre, as roupas são mais bonitas, as comidas mais gostosas...xiii, a lista vai longe.
Desde que me casei, as postagens diminuiram consideravelmente aqui no blog e até parei com algumas postagens coletivas que costumava participar po…

Ensinamento das mães

Oi, tudo bem?
Pra lembrar, e rir.
Coisas que nossas mães diziam e faziam…

Era uma forma, hoje condenada pelos educadores e psicólogos, mas funcionou com a gente e por isso não saímos seqüestrando a namorada, calculando a morte dos pais, ajudando bandido a sequestrar a mãe, não nos aproveitamos dos outros, não pegamos o que não é nosso, nem matando os outros por ai, etc…


Minha mãe ensinou a VALORIZAR O SORRISO…  "ME RESPONDE DE NOVO E EU TE ARREBENTO OS DENTES!"
Minha mãe me ensinou a RETIDÃO…  "EU TE AJEITO NEM QUE SEJA NA PANCADA!"
Minha mãe me ensinou a DAR VALOR AO TRABALHO DOS OUTROS…  "SE VOCÊ E SEU IRMÃO QUEREM SE MATAR, VÃO PRA FORA. ACABEI DE LIMPAR A CASA!"
Minha mãe me ensinou LÓGICA E HIERARQUIA…  "PORQUE EU DIGO QUE É ASSIM! PONTO FINAL! QUEM É QUE MANDA AQUI?"
Minha mãe me ensinou o que é MOTIVAÇÃO…  "CONTINUA CHORANDO QUE EU VOU TE DAR UMA RAZÃO VERDADEIRA PARA VC CHORAR!"
Minha mãe me ensinou a CONTRADIÇÃO…  " FECHA A BOCA E COME!…

Só para preencher a lacuna

Oi, tudo bem?
Só estou passando aqui para preencher a lacuna. Tenho que me policiar para manter o blog atualizado o minimamente aceitável ou vou fechar as portas de vez.
O mês de junho é o mês do inverno; por aqui, o tempo já está com aquela cara de tarde fria: solzão, vento gelado, típico clima para chocolate quente e pão de queijo. Duas coisas que aboli do meu cardápio no período noturno e, com isso, já foram vários dias sem enxaqueca. 
Além dessas pequenas trocas no cardápio (uma coleção de chás entrou no lugar do leitinho antes de dormir), também diminui o óleo (troquei por azeite, na verdade); tirei o vinagre, parei de ficar no celular e tablet antes de dormir, estou fazendo pequenas caminhadas diárias (quase diárias porque tem dia que está muito frioooooo) e, com isso, já foram 3 quilos embora. Faltam 6!
A rotina no casamento está muito gostosa, mas as pessoas ao redor ficam palpitando que ficamos muito em casa, que quase não saímos. Uai, somos assim! Para mim, não tem coisa mais go…

A mulher no banheiro público

Oi, tudo bem?

Das minhas andanças por aí, das coisas que leio e me fazem rir:

"O grande segredo de todas as mulheres com relação aos banheiros é que quando pequenas, quem as levava ao banheiro era sua mãe. Ela ensinava a limpar o assento com papel higiênico e cuidadosamente colocava tiras de papel no perímetro do vaso e instruía: "Nunca, nunca sente em um banheiro público" E, em seguida, mostrava "a posição", que consiste em se equilibrar sobre o vaso numa posição de sentar sem que, no entanto, o corpo não entre em contato com o vaso. "A Posição" é uma das primeiras lições de vida de uma menina, super importante e necessária, e irá nos acompanhar por toda a vida. No entanto, ainda hoje, em nossa vida adulta, "a posição" é dolorosamente difícil de manter quando a bexiga está estourando. Quando você TEM que ir ao banheiro público, você encontra uma fila de mulheres, que faz você pensar que o Bradd Pitt deve estar lá dentro. Você se resigna e espera…

Um aninho!

Oi, tudo bem?
Minha bebê fez um aninho!!!
Eu sei que tem muita gente que não entende amor por bicho, que vem com aqueles papos "porque adotar cachorro com tanta criança abandonada no mundo?" e blá, blá, blá.
Eu não quero ter filhos (momento "podem me tacar pedras" começa agora) e, graças a Deus, Ele me mandou um marido maravilhoso que pensa igual a mim. Não tenho paciência com crianças e poderia ficar aqui páginas e páginas escrevendo todas as razões pelas quais tenho certeza que não nasci com o dom da maternidade. Admiro e respeito quem tem, quem consegue criar dignamente e com valores nessa sociedade doida que vivemos, mas eu passo a vez.
Por isso, antes mesmo de casar, eu e o garoto já sabíamos que não queríamos filhos, mas iríamos adotar uma cachorrinha. No começo, eu queria macho e ele queria fêmea. Depois que tentamos com o Chico, eu tive que dar o braço a torcer que não ia me dar bem com machos mesmo. Tentamos com a Lola e foi bem traumático e eu estava quase pe…

Vale a pena a leitura. Pra refletir! E muito!

"E a juventude vai escoando entre os dedos. Era uma vez uma geração que se achava muito livre. Tinha pena dos avós, que casaram cedo e nunca viajaram para a Europa Tinha pena dos pais, que tiveram que camelar em empreguinhos ingratos e suar muitas camisas para pagar o aluguel, a escola e as viagens em família para pousadas no interior. Tinha pena de todos os que não falavam inglês fluentemente. Era uma vez uma geração que crescia quase bilíngue. Depois vinham noções de francês, italiano, espanhol, alemão, mandarim. Frequentou as melhores escolas. Entrou nas melhores faculdades. Passou no processo seletivo dos melhores estágios. Foram efetivados. Ficaram orgulhosos, com razão. E veio pós, especialização, mestrado, MBA. Os diplomas foram subindo pelas paredes. Era uma vez uma geração que aos 20 ganhava o que não precisava. Aos 25 ganhava o que os pais ganharam aos 45. Aos 30 ganhava o que os pais ganharam na vida toda. Aos 35 ganhava o que os pais nunca sonharam ganhar. Ninguém podia os deter…